quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Nação Zumbi tocando "Tomorrow Never Knows"

Nação Zumbi tocando "Tomorrow Never Knows" dos Beatles para programa de covers da MTV. 

Essa canção está no álbum Revolver dos Beatles lançado em 1966, e foi composta à base de experiências transcendentais e leituras budistas.
Muito foda!!!!


domingo, 20 de outubro de 2013

Pratique agora e chega de "mimimi"

Postado por Daniele Vargasno Sobre Budismo no Facebook




"Aparentemente, alguns pensam que todos deveríamos apenas respeitar a opinião de todo mundo com respeito aos ensinamentos e evitar qualquer conflito. Mas um vigoroso debate faz parte da tradição budista. 
Em muitas tradições monásticas, monges e monjas participam de debates intensos. Desafiando a compreensão do outro monástico, de preferência o desafio à um mais velho, é incentivada. Na tradição Zen o "Dharma Combat" tornou-se um pouco ritualizado , mas a história do Zen registra muitos desses desafios que até mesmo se tornaram físicos , bem como - com agarrões, empurrões, socos, e ocasionamente um osso quebrado. 
Eu não estou dizendo que devemos replicar isso (principalmente porque eu iria perder), mas é importante entender que a discordância é OK. 
Lewis Richmond escreve que as pessoas que procuram o budismo no Ocidente estão à procura de um refúgio de conflitos emocionais. Ele escreve: " Como um proeminente líder budista disse: '80 por cento dos meditadores em centros budistas têm um fundo de trauma e abuso, e os outros 20 por cento estão mentindo ." 
Ele continua: 
"Como conseqüência disto, no entanto , os budistas ocidentais são frequentemente aversos ao conflito e a expressar pensamentos e sentimentos negativos. Isso pode dar às comunidades budistas uma pátina irreal de paz e harmonia, mascarando uma corrente mais profunda de ressentimento, raiva e frustração. " 
É também o caso de quem vem ao budismo para aprender alguma coisa. Um ponto central para o processo de aprendizagem é desafiarmos nossos pontos de vista atuais e suposições. Se você está à procura de uma tradição em que ninguém nunca vai dizer-lhe que o seu entendimento atual é fora de sintonia, Budismo não é isso. 
Ao pensar sobre este tema , o poema "Heaven - Haven : A Nun Takes the Veil ", de Gerard Manley Hopkins , escrito em 1864, continua aparecendo na minha cabeça. 
Aqui está: 
"Eu queria ir
Onde a primavera não falha,
Em campos onde não voam granizos afiados
E sentir lírios explodirem.
E eu pedi para estar
Onde tempestades não chegam,
Onde o crescimento verde está nos paraísos mudos,
E fora do balanço do mar." 
Este é um poema sobre fuga. Mas não há como escapar. Podemos todos desejar estar em algum lugar onde não há "granizos afiados", mas o fato é que levamos o granizo conosco, onde quer que vamos. Não há como fugir dele. E as comunidades monásticas podem ser tão conflituosas como as famílias, escolas e locais de trabalho. Em última análise, não há alternativa para chegar à raiz de onde a chuva está vindo, libertando-se dela. 
Irrealisticamente, alguns de nós vão para centros de dharma pensando que todo mundo lá para agir em conjunto, se dedicando a serem compassivos conosco. Mas o fato é que todo mundo está lá pelo mesmo motivo - dukkha, sofrimento. E você não lida com dukkha fingindo que ele não existe."


quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Folhas no Caminho: Meditação na Vida Diária

Postado originalmente no Folhas no Caminho

Meditação na Vida Diária

Uma dica do prof. de dharma Godwin Samararatne a respeito da meditação na vida diária, traduzida pelo grupo de tradução do Centro Nalanda:
“Hoje espero ter uma oportunidade de fazer o bem para os
outros, de fazer os outros felizes e de me fazer feliz”.
"Eu gostaria de compartilhar alguns pensamentos com vocês sobre a integração da meditação na vida diária. Uma coisa é que temos de ser muito claros sobre nossas prioridades. Se dermos uma prioridade muito alta para a meditação e para a vida espiritual, então tudo flui a partir daí. Vai ser difícil para essa pessoa dizer: “Eu não tenho tempo para meditar”. Então, é preciso ser muito claro sobre esse ponto.


Algo que podemos tentar fazer quando acordamos de manhã é gastar apenas alguns minutos deitados na nossa cama ouvindo os sons ou sentindo o corpo. Talvez pudéssemos fazer um pouco de meditação de bondade amorosa pela manhã, apenas tendo este pensamento: “Hoje espero ter uma oportunidade de fazer o bem para os outros, de fazer os outros felizes e de me fazer feliz”. Isso pode levar cinco ou dez minutos no período da manhã, enquanto ainda estamos deitados.

Outra sugestão é tentar conscientizar-se das pequenas e rotineiras coisas que fazemos, como escovar nossos dentes: essa é apenas uma sugestão muito simples. Vocês podem fazer um pequeno esforço para escovar os dentes com conscientização. Nós todos sabemos que, quando escovamos os dentes, fazemos isso mecânica e habitualmente, enquanto na mente estamos em outro lugar. Este simples exercício de manhã, escovar os dentes de uma forma muito cuidadosa, vai nos ajudar a desenvolver a conscientização, e como um benefício extra, seus dentes vão brilhar na escuridão! Outro exercício simples é que ao tomar um banho de manhã, vocês podem simplesmente ficar lá por dois ou três minutos somente sentindo a água sobre o corpo, apenas estando com a sensação. É um belo modo de começar o dia".


Ninguém pode fazer isto por você.... Comecemos.


O caminho do Budha!



Fazer o bem sem olhar a quem.




Fazer o bem,
evitar o mal,
purificar a mente.

Este é o caminho do Budha!

domingo, 6 de outubro de 2013

Visitas ao coletivo de meus passados: Pictos, celtas...

Os pictos eram antigos habitantes da Escócia que estabeleceram seu próprio reino e lutaram contra os romanos na Britânia. Fontes romanas afirmam que os pictos teriam um poderoso reino com centro em Strathmore. Tiveram que enfrentar o advento de outros povos à Grã-Bretanha, entre eles os anglos da Úmbria do Norte; e os escotos procedentes da Irlanda, que formaram um reino na Dalriada.
As invasões nórdicas nos século VIII e IX parecem ter levado os pictos e escotos a se unirem, pois, em 843, Kenneth I MacAlpin, antes rei dos escotos, tornou-se também rei dos pictos. A partir de então, toda a Escócia reconhecia um só rei. Eles venceram os vikings e os anglo-saxões e criaram a Escócia.
Segundo um estudo efectuado pelo geneticista Bryan Sykes, os pictos seriam originários da península Ibérica.



A pintura se chama A jovem Filha dos Pictos (1585-88), de Jacque Le Moyne de Morgues'

Os Pictos como povo constituem um enigma. Alguns especialistas defendem que seriam uma tribo celta, outros, por outro lado, crêem tratar-se de um povo mais antigo. Os escritores romanos sempre os distinguiram dos celtas da Escócia, surpreendendo-se pela sua ferocidade e o hábito barbárico de se pintarem ou tatuarem. Até o nome "Pictos" não ajuda, na medida em que deriva da palavra latina picti, que significa simplesmente "pintados" - uma referência às suas pinturas ou tatuagens de guerra. O nome que os Pictos davam a si mesmo perdeu-se.
As descrições dos Pictos traçam um retrato de um povo pequeno, robusto mas delgado, pele amarelecida ou escura, de todo diferentes dos Gauleses, cuja pele mais clara, altura e constituição impressionavam os escritores romanos.

Falam de guerreiros E GUERREIRAS que lutavam nús com os corpos ricamente pintados e gravados de tatuagens. Falam de mulheres que eram CHEFES tribais.


O folklore escocês fala dos "pechs". Ao longo dos séculos estes foram tornando-se numa raça mágica de fadas e duendes, mas muitos especialistas crêem que se trata duma "memória popular" dos Pictos, o que indica que seriam vistos pelos Celtas da Escócia como uma raça separada e não apenas uma tribo separada. A juntar com as diferenças físicas, parece que os Pictos poderiam ser os últimos vestígios da população pré-Celtica da Grã-Bretanha, mas não há certeza.

Um tríscele ou triskelion, do grego τρισκέλιον [triskélion]; τρισκελής [trislelís], "com três pernas".

É um
 símbolo formado por três espirais entrelaçadas flexionadas de forma similar com a ideia de simetria rotacional e em movimento. É um símbolo que aparece em muitas culturas da Antiguidade, como a dos Celtas, Pictos, micênios ou dos lícios.
.Galeria de imagens de trísceles

Estas espirais são encontradas em vários artefatos e construções antigas, o seu significado reside na beleza e na simplicidade dos seus traços. Geralmente, representam o equilíbrio do universo dentro de nós, ou seja, o equilíbrio espiritual interior e a consciência exterior. Elas formam um padrão que começa pelo centro e se deslocam para fora ou para dentro, conforme a sua configuração. Esses movimentos podem ser observados no sentido horário ou anti-horário. As espirais com movimentos no sentido horário estão associadas ao Sol e a harmonia com a Terra ou movimentos que representam à expansão e à atração, em relação ao centro.


Por outro lado, as espirais com movimentos no sentido anti-horário estão associadas à manipulação dos elementos da natureza e aos encantamentos que visam à interiorização e à transmutação de energias, assim como a proteção. Lembrando que entre os celtas, mover-se em torno de um objeto em sentido anti-horário era considerado como mau agouro.Os antigos túmulos megalíticos na Irlanda, são exemplos maravilhosos de espirais, anterior aos celtas, conhecidos como "As Espirais da Vida", que representam o ciclo da vida, da morte e do renascimento.

Na cultura celta é dedicado à Manannán Mac Lir, o Senhor dos Portais entre os mundos. Tudo indica que o número três era considerado sagrado pelos Celtas, reforçando o conceito da triplicidade e da cosmologia celta de: Submundo, Mundo Intermediário e Mundo Superior.

O Triskle também é conhecido por triskelion ou triskele, tríscele, threefold ou espiral tripla, e possui dois grandes aspectos principais de simbolismo implícitos em sua representação, que são:

  • Simbologia ligada ao constante movimento de ir, representando: a ação, o progresso, a evolução, a criação e os ciclos de crescimento;
  • Simbologia ligada às representações da triplicidade: 
Corpo, Mente e Espírito;

Passado, Presente e Futuro;
Primavera, Verão e Inverno.

Os nós celtas são variantes entrelaçadas de símbolos do mundo pré-céltico, germânico e céltico. O número três nos liga aos reinos do Céu, da Terra e do Mar – elementos que compunham o mundo Celta – e por sua vez, formavam os Três Reinos, vistos da seguinte forma:

- O Céu, que está sobre nossa cabeça e nos oferece o Sol, a Lua, as estrelas e as chuvas que fertilizam a terra. Representa a luz, a inspiração (o fogo na cabeça) e os Deuses da criação.
- A Terra, que está sob nossos pés e nos dá o alimento, nos abriga e faz tudo crescer - são as raízes fortes das árvores. Representao xorpo, o solo, a raíz e os Espíritos da Natureza.
- O Mar é a água que está em nós, representa o Portal para o Outro Mundo, que sacia a sede e nos dá a vida - sem a água tudo perece e morre. Representa os seres feéricos, a água e os Ancestrais.

Sendo os três elementos interdependentes, onde cada um possui seu significado próprio, mas que dependem um do outro para continuar existindo, permitido assim, que o nosso mundo também exista em perfeita interação. 

Os três reinos representam locais onde há vida, e o fogo é a alma que caminha entre eles. Além disso, cada reino era relacionado a um grande caldeirão sustentado por três pernas, que por sua vez, possuíam três atributos diferentes. Apesar de não haver um mito de criação como outras culturas indo-europeias, havia entre eles a ideia dos Três Mundos, como citamos anteriormente, descritos como:

- O Mundo Celestial ou Superior: onde as energias cósmicas como o Sol, a Lua e o vento se movem. Associado aos Deuses da criação.
- O Mundo Intermediário ~ Terra média: onde nós e a natureza vivemos. Associado aos espíritos da natureza.
- O Submundo: onde os ancestrais e os seres feéricos vivem. Associado ao Outro Mundo.

Portanto, as três pontas do Triskle eram associadas aos Três Reinos ou aos Três Mundos e ao fluxo das estações. E, numa versão moderna, às três fases da Lua vistas no céu: Crescente, Cheia e Minguante. Com as mesmas características observadas nas espirais, seu movimento a partir do centro, pode ser descrito como no sentido horário ou anti-horário. Simbolicamente, o sentido horário: representa a expansão e crescimento e o sentido anti-horário: a proteção e o recolhimento."Tendo em consideração o número três, símbolo sagrado dos Celtas, o qual tanto se apresenta com a forma de Tríade como de Triskle, a tripla espiral que, girando à volta de um ponto central, simboliza por excelência o universo em expansão.

De um modo geral, este símbolo está associado ao crescimento pessoal, ao desenvolvimento humano, o fluir e a expansão da consciência física e espiritual.

texto de Rowena Arnehoy Seneween 

The 13th Warrior (O 13º guerreiro, no Brasil) é um filme norte-americano de 1999, dirigido por John McTiernan, baseado no romance "Eaters of the Dead", de Michael Crichton. Inspirado pela tradução para Inglês do relato real de Ahmad ibn Fadlan das suas viagens para cima do rio Volga, no século X. O enredo do filme, é, contudo, em grande medida uma adaptação moderna do épico anglo-saxão Beowulf.

O filme esforça-se por atingir uma atmosfera histórica, incluindo o uso de diálogos em Árabe, Sueco, Norueguês, Dinamarquês, Grego e Latim. O actor norueguês Dennis Storhøi co-protagonizou a película como Herger, enquanto o actor sueco Sven Wollter interpretou um velho chefe viquingue. A veterana actriz norueguesa Turid Balke teve também um pequeno mas proeminente papel ao interpretar a feiticeira, assim como a actriz sueco-norueguesa Maria Bonnevie como Olga, a criada.
Bran Mak Morn ~ O último rei picto.


 






Bran Mak Morn é um herói fictício de várias histórias de Robert E. Howard (criador de Conan - o bárbaro).

Nas histórias, ele é o último rei da última tribo dos pictos . Ele é um descendente linear direto de Brule Lança-Slayer, companheiro do
rei 
Atlante Kull, a quem ele consegue convocar num ritual mágico, para lutar com ele em "Kings of The Night", uma novela publicada pela Weird Tales em Novembro de 1930.

Bran Mak Morn é o líder de uma cultura sendo extinta pelo ocidentalismo, um pobre reflexo do que uma vez que foram e está profundamente consciente de seu caminho inevitável a extinção, embora, como todos os personagens Howard ele escolha lutar contra isso, em vez de sucumbir. Seus principais inimigos são os romanos e ele faz uma aliança profana para derrotá-los em "Worms of the Earth".

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Imagine

24/09/2013

Imagine em quadrinhos

Difícil quem não conheça a música, que na minha infância, num tempo bem distante, era a que encerrava a transmissão da Globo antes dela sair do ar. Pois imagine Imagine (desculpem o trocadilho), o clássico de John Lennon, transformado em uma história em quadrinhos. Foi o que o artista Pablo Stanley fez, na simpática sequência ilustrada que você vê abaixo. Ele também faz questão de eliminar qualquer dúvida a respeito do seu trabalho e explica que - palavras dele: "Esta não é uma propaganda anti-religião, nem nada; a história em quadrinhos (assim como a música) tenta comunicar que não importa a sua fé, todos nós devemos compartilhar o mundo em paz ... Por mais bobo que possa parecer.". Tem tanto doido por aí que até na hora de desenhar é preciso tomar cuidado. "Imaginativamente legaus"!
Link para a fonte

terça-feira, 1 de outubro de 2013

Evento Inter-religioso no Acampamento Farroupilha

Evento Inter-religioso no Acampamento Farroupilha



Publicado por ClicRBS

13-09-16 Interreligioso Acampamento Farroupilha003

Como parte da Programação de Projetos Culturais do Acampamento Farroupilha 2013, foi realizado um encontro inter-religioso no dia 16 de setembro, no “Piquete Canta Galo”, com o tema “Religiosidade na Formação da Identidade e Cultura do Gaúcho”. Neste encontro, o Padre João Tadeu Fernandes da Silva mostrou um pouco de sua pesquisa sobre o “DNA religioso” do Gaúcho que é influenciado pela mistura dos povos indígenas, africanos e europeus da região. A chuva impediu que houvesse a presença de estudantes das escolas convidadas, mas contamos com a presença de membros de alguns do “Piquetes” vizinhos. O evento terminou com a benção interreligiosa.

13-09-16 Interreligioso Acampamento Farroupilha004













Originalmente postado por Monja Isshin no Blog das Religiões

À procura da felicidade no templo budista de Três Coroas

À procura da felicidade no templo budista de Três Coroas
FONTE DIÁRIO GAÚCHO


Há duas semanas no ar, Joia Rara colocou na roda um assunto interessante: uma religião e filosofia de vida constituída de várias tradições e práticas


À procura da felicidade no templo budista de Três Coroas Mateus Bruxel/Agencia RBS
A praticante budista Sibele Correa caminha no interior do Templo Budista Khadro Ling, em Três CoroasFoto: Mateus Bruxel / Agencia RBS
Há duas semanas no ar, Joia Rara colocou na roda um assunto interessante: o budismo, uma religião e filosofia de vida constituída de várias tradições e práticas. Os ensinamentos são baseados em Siddhartha Gautama, conhecido como Buda, e falam em amor, compaixão, generosidade, compreensão e tolerância. A meditação faz parte das atividades.
Para entender melhor esta história, a equipe de Retratos da Fama passou uma tarde no Khadro Ling, o Templo Budista de Três Coroas, no Vale do Paranhana, primeiro templo tibetano tradicional da América Latina. Uma comunidade com cerca de 35 praticantes budistas mora no lugar, idealizado pelo tibetano Chagdud Tulku Rinpoche.
Lama (sacerdote budista) Sherab Drolma é uma das professoras de budismo que vive lá e esclarece diversas questões mostradas na novela. Assim como outros moradores do Khadro Ling, ela está adorando ver a religião ser mostrada em Joia Rara e já percebe um aumento do número de visitantes ao Templo.
Ficou com vontade de saber mais? Leia esta reportagem e, neste domingo, vá passear em Três Coroas: Lama Sherab fará uma palestra gratuita de introdução ao budismo às 10h30min, no Templo.
Para restabelecer o equilíbrio
As autoras Thelma Guedes e Duca Rachid voltam 80 anos no tempo para, em um mundo à beira do colapso (a Segunda Guerra Mundial), falar de uma menina especial. Filha de Franz (Bruno Gagliasso) e de Amélia (Bianca Bin), Pérola (Mel Maia) é a reencarnação de Ananda Rinpoche (Nelson Xavier), que ajudou a salvar Franz após uma avalanche e morreu logo depois.
- Pérola vem para equilibrar - afirma Thelma.
A menina é encontrada no Rio pelos monges Sonan (Caio Blat), Tempa (Ângelo Antônio) e Jampa (Fabio Yoshihara), nos capítulos da semana que vem. Eles vêm direto do Nepal porque têm certeza, por intermédio de sonhos, de que Pérola é a reencarnação do seu mestre.
Os sinais são muitos: ela reconhece os objetos pessoais do líder e faz desenhos do mosteiro onde ele morou. Lama Sherab garante que uma história igual já aconteceu!
Um passeio e tanto
O Khadro Ling, mais conhecido como Templo Budista de Três Coroas, é a sede do Chagdud Gonpa Brasil, uma organização sem fins lucrativos destinada ao estudo e à prática do budismo tibetano. O lugar começou a ser pensado em 1994, quando Chagdud Tulku Rinpoche encantou-se com a beleza da região e decidiu estabelecer um centro no lugar. Em 1995, Rinpoche (título do budismo tibetano que se dá a um lama considerado precioso por seu conhecimento) mudou-se para onde hoje está o Khadro Ling. Desde então, artistas tibetanos, brasileiros e indianos, entre outros de diferentes nacionalidades, ajudaram a construir o local com belas pinturas e monumentos.

Confira o vídeo com as imagens do templo:


A morte de Rinpoche, em 2002, não comprometeu a continuidade das atividades do local, que tem como diretora espiritual sua viúva, Chagdud Khadro.

- Endereço: Estrada Linha Águas Brancas, 1211, em Três Coroas, fone (51) 3546-8200

- Visitação gratuita: de quarta a sexta, das 9h30min às 11h30min e das 14h às 17h. Sábados e domingos: das 9h às 16h30min. É fechado nas segundas e terças-feiras.


Uma pessoa bem melhor

Sibele Corrêa, 48 anos, vive no Khadro Ling desde 1998. Lá, conheceu o seu amor e exerce diferentes tarefas. Ela conta como é a rotina por lá:
- Temos duas práticas de meditação, às 6h30min e depois da janta. Geralmente, faço uma individual antes. Durante o dia, trabalho em projetos de tradução (de publicações do inglês e do tibetano para o português, que são vendidas na loja que há no Khadro Ling). Também atuo na área administrativa, fazendo escalas de trabalho.
Nestes rituais, Sibele toca o gyaling, instrumento tradicional no Tibete - confira a sua performance em diariogaucho.com.br/videos.
- Uma mudança de vida de filha para a mãe
A mãe de Sibele, Leda Volino, 75 anos, gostou tanto do lugar que encantou a filha que construiu uma casa num terreno ao lado do Templo. Ela faz uma atividade muito interessante.
- É uma prática de meditação específica patrocinada. Pedem para ela rezar para determinada pessoa, e isto envolve recitação de mantras. É particularmente útil pra quem sofreu uma morte muito violenta, porque tem poder pacificador. Dizem que, se você fizer 100 mil recitações de determinado mantra, isto vai pacificar a pessoa. No Tibete, é muito comum! - explica Sibele.
Budista desde 1995, ela garante que é uma pessoa bem melhor agora.
- Se eu olhar pra trás há 15 anos, me sinto melhor e mais feliz hoje. Eu era extremamente crítica e sarcástica. Isso me incomoda, não sei como me aguentavam! - diz.
Um passeio pelo budismo: saiba mais
É uma religião e uma filosofia de vida com várias tradições e práticas. Os ensinamentos são baseados em Buda, que nasceu na Índia, no século VI a.C, e, aos 29 anos, abandonou a vida de príncipe. Por seis anos, seguiu os maiores mestres da época, mas, apesar do esforço, não encontrou a resposta para alcançar a liberdade do sofrimento. Passou, então, 49 dias e noites de meditação embaixo de uma árvore, onde alcançou o estado iluminado. Buda ensinou para as pessoas o caminho da sabedoria, isto é, como alcançar a completa liberdade do sofrimento, a iluminação. O Brasil conta com mais de 60 centros de estudo e de meditação.
Ensinamentos

Mesmo que não seja budista, você pode seguir os ensinamentos. Lama Sherab explica como:

- A primeira coisa é empenhar-se em ter um bom coração, em observar e constatar que, assim como você, todas as pessoas buscam felicidade. E todos temos potencial de gerar felicidade para o outro. Ter o conhecimento de que as coisas são impermanentes também é importante. Assim, sua mente não sofre tanto por ter ou não alguma coisa.
Dalai Lama

É para o budismo, nas palavras de Lama Sherab, o que o Papa Francisco representa para os católicos: um líder. O atual Dalai Lama é Tenzin Gyatso, 78 anos. Considerado a reencarnação do bodisatva (aquele que pode vir a se tornar Buda) da compaixão, Tenzin é monge e doutor em filosofia budista. Recebeu o Nobel da Paz em 1989.

Por que os monges são carecas?

- Quando você segue a vida monástica, a primeira coisa a fazer é eliminar circunstâncias que estimulem ou provoquem emoções negativas. Você tira os ornamentos, raspa a cabeça, não usa joias. Tudo é um suporte para esse treinamento da mente. As monjas também cortam os fios - explica Lama Sherab.

Monastério
No Brasil, não há monastério com monges budistas tibetanos - o da novela é no Tibete. Aqui, há comunidades com praticantes como a de Três Coroas. Para ser monge, deve-se ser devoto à vida monástica, abdicando dos objetivos comuns dos homens em prol da prática religiosa, morando em monastérios. Os mais comuns são na Índia e no Nepal.
Para todos
- Não esperamos que a pessoa se converta ao vir no Templo. O Rinpoche falava: a paz está dentro de todos, só é preciso acessá-la. Quando se vem aqui, é uma sementinha para que possa buscar o próprio caminho espiritual, a ter mais paz - diz Lama Sherab.
TSOG
É uma cerimônia do budismo tibetano, que utiliza alimentos e bebidas de diferentes sabores como objeto de meditação e de purificação.
Bandeiras
No Tibete, é comum os praticantes pendurarem bandeiras com mantras e orações ao ar livre. Acredita-se que o vento, ao soprar pelas palavras impressas, espalha bênçãos que tocam todos os seres. No Khadro Ling, há um espaço onde os visitantes podem pendurar bandeiras e gerar energia positiva.
Iluminação e libertação
A Lama Sherab Drolma considera maravilhoso o budismo entrar na casa dos brasileiros por intermédio de Joia Rara. Ela conversou com Retratos da Fama nesta semana e explicou muito sobre a filosofia.
A estudiosa avalia os pontos positivos e negativos da novela das seis. Felizmente, há muito mais positivos!
Diário Gaúcho - Na novela, o monge Sonan ficou meses meditando numa caverna, em busca da iluminação. Em nenhum momento, apareceu ele alimentando-se. Acontece assim?
Lama Sherab Drolma - Não apareceu, mas ele comia. Antigamente, era muito comum fazer retiro em cavernas no Tibete porque os monges procuravam lugares mais isolados. Hoje, a gente se isola dentro de uma casa. No caso de Joia Rara, o retirante leva alimentos, e há um patrocinador, aquela pessoa que leva comida.
DG - Quando tiraram Sonan do retiro, ele parecia debilitado. É assim mesmo?
Lama Sherab - Não! Quando você está em retiro, fazendo prática de meditação, faz com o propósito de alcançar realização do que é a natureza da sua mente, de sabedoria. Você não está nem interessado nem atento às coisas comuns, mas fica desperto e consciente.
DG - Por que o isolamento é importante?
Lama Sherab - Quando você se isola, se treina na meditação de uma forma mais intensa. Saindo do retiro e retornando para as atividades comuns, a sua percepção do mundo e das pessoas muda. A princípio, por você se tornar uma pessoa mais de bom coração, amorosa e tolerante.
DG - Quais são os ensinamentos do budismo?
Lama Sherab - Um dos aspectos é você se treinar para diminuir as emoções aflitivas, como raiva, inveja e orgulho, e incrementar as qualidades, principalmente amor, compaixão e ser mais generoso, compreensivo e tolerante. É difícil, mas é possível.
DG - A reencarnação de Ananda Rinpoche, em Joia Rara, está sendo exibida corretamente?
Lama Sherab - Quando uma pessoa que já alcançou completa realização morre, como o Ananda, a consciência dela deixa o corpo, porém, como já possui completa sabedoria, tem a escolha de voltar a renascer num corpo humano para beneficiar os seres que ainda estão presos ao ciclo de existência: de morrer e renascer diversas vezes. Já aconteceu no Tibete. Um grande mestre faleceu, e os alunos dele perceberam que um menino que tinha acabado de nascer, ao longo do tempo, dizia coisas que não tinha como saber. Eram indícios que lembravam o falecido. Chegaram à conclusão de que aquele menino era a reencarnação dele.
DG - E quando acaba este ciclo?
Lama Sherab - Budismo não afirma e não acredita que exista algo, uma entidade, que tenha vida eterna, que fique mudando de corpo. O que renasce é o conceito da existência de uma identidade. Vai haver vidas, mortes e renascimentos até a consciência alcançar a libertação, que vem com estudo, meditação e contemplação.
DG - Na novela, Ananda faleceu e ficou alguns dias meditando. Como é possível?
Lama Sherab - Com pessoas que, durante a vida, alcançam realização com a meditação. Isso aconteceu com nosso professor (Chagdud Tulku Rinpoche, que faleceu em 2002 e permaneceu em profunda meditação durante seis dias antes de a consciência deixar o seu corpo). Esta realização está muito relacionada à questão de controle da mente.
Fonte DIÁRIO GAÚCHO