segunda-feira, 8 de julho de 2013

Liberdade?


29 de agosto de 2010



A palavra "liberdade" é muitas vezes usada para se referir a uma ausência de restrição ou controle das atividades físicas e mentais de uma pessoa. Esse tipo de liberdade é sempre limitado por condições que impeçam os indivíduos de fazer certas coisas. Estas condições podem ser as leis naturais ou criadas pelo homem, ou pode haver limitações físicas ou mentais.

Diferentes pessoas se sentem livres de diferentes maneiras. Todo mundo tem um sentido um tanto original da liberdade pessoal. Algumas pessoas podem sentir que uma maneira de ser livre é ser totalmente alheia a qualquer outra coisa. No entanto, essa sensação de liberdade é apenas uma ilusão porque na verdade não há nada que seja alheio a qualquer outra coisa.

Na medida em que o budismo está em pauta, a liberdade espiritual é a libertação do sofrimento. O budismo ensina que uma compreensão da interdependência é fundamental para alcançar esse tipo de liberdade.

O termo indiano para esta relatividade é pratitya-samutpada , proferida em português de várias formas como origem dependente, originação inter-dependente, surgimentos-dependentes, tornando-se co-condicionado, a produção de co-dependentes, etc Eu gosto de interdependência. É curto e direto ao ponto.

Interdependência é muitas vezes explicada com a fórmula do "por causa disto , que surge por causa daquilo , este surge. "Nada existe por si mesmo, porque tudo está interligado e nada pode surgir ou vir a ser, sem ser produzido por causas que operam sob diferentes condições.

Uma vez que o Buda estava principalmente preocupado com o problema do sofrimento humano, ele usou interdependência para traçar as causas do sofrimento, que ele finalmente atribuiu à ignorância. Isto resultou numa fórmula reversa: "quando o porque isto não é cessa ; o porquê que não é também cessa . "De acordo com esta fórmula inversa, se não existir a ignorância, então não existe o sofrimento. O Buda ensinou que se removermos a ignorância e a substituirmos por sabedoria, o sofrimento pode ser transcendido.

O que queremos dizer por ignorância? Em 1997, ao dar ensinamentos sobre a Preciosa Guirlanda de Nagarjuna, o Dalai Lama pronunciou estas palavras:

A própria palavra avidya ou ignorância em si mostra um estado que não se pode realmente endossar como positivo. Diz-se de ser fundamentalmente confuso, por isso, com certeza, não pode ser um estado  desejável. O ponto é que, se a nossa existência é dita ser completamente determinada e condicionada por essa maneira fundamentalmente falha de ver o mundo, como pode haver espaço para a liberdade duradoura ou uma paz duradoura? Portanto, torna-se crucial vermos se avidya ou a ignorância fundamental pode ser eliminada.

Algumas escolas do budismo consideram a raiz da ignorância como sendo o auto-apêgo, a mente se  agarra à auto-existência, por um lado e à ignorância por outro. Na escola Madhyamaka (Caminho do Meio), a ignorância é entendida como um estado de não-saber, ver o mundo de uma maneira distorcida, e isso decorre da não compreensão da interdependência de todas as coisas.

Eu sinto que a interdependência é a palavra-chave para o futuro. Como o nosso mundo continua encolhendo embora os avanços na tecnologia, estamos vendo mais e mais como as coisas são verdadeiramente inter-relacionadas. A cada dia, a ciência nos proporciona novos exemplos de como a vida e o meio ambiente são  tecidos, e, tecidos em um padrão complexo de causas e efeitos. Na medicina, o reconhecimento da conexão mente-corpo é agora mais comum do que nunca. Se, no futuro, nós os seres humanos, possamos começar a cultivar uma profunda compreensão da interdependência, isto poderá ser capaz de transformar o mundo ao nosso redor e estabelecer alguma medida de uma paz duradoura.

Este último ponto é o grande benefício do conceito de interdependência, pois nos leva a uma verdadeira compreensão da igualdade. Devido ao fato de que estamos interligados e porque estamos sujeitos às mesmas causas e condições, somos todos iguais.

Enxergar-mo-nos como alheios a outras coisas, particularmente a outros seres, não é liberdade. Aqui, novamente, o inverso aplica-se; a verdadeira liberdade está  em abraçarmos a inter-conectividade. Isto é ver o mundo como ele realmente é.

A pessoa que pensa que a liberdade significa estar desconectado está só se agarrando a um "eu" que não existe. Naquela que é auto-independente, permanente e imutável, nada disso pode ser encontrado. Nós gostamos de sentir que somos um ser que é diferente, na aparência e substância, de outros seres, o que é verdade, mas apenas em termos relativos. A ciência nos diz que os componentes que nos fazem diferentes dos outros seres constituem apenas um ou dois por cento do nosso ser total, assim, finalmente, o resto é o mesmo que em todos os outros seres.

Se nada mais que isso nos diferencia, aqui reside a liberdade de ódio e racismo, por isso é que não faz sentido odiarmos outra pessoa por causa de um ou dois por cento da diferença. Sem falar que, por qualquer motivo, o ódio não é legal.

Nagarjuna disse: "Tudo está em harmonia para a pessoa que está em harmonia com a  interdependência." Ele ensinou que a paz e a harmonia no mundo são possíveis quando nós rejeitamos a ideia do eu e do  alheio, e, ainda, que qualquer pessoa que compreenda profundamente a interdependência pode ajudar todos os seres a perceberem a liberdade. Tal pessoa é chamada de "Buda": aquele que despertou.


Postar um comentário