sábado, 16 de outubro de 2010

Invictus - Por monja Isshin

Por monja Isshintus

outubro 15, 2010 às 10:14 am | Publicado em Compaixão Zen Budista, Meditação em Porto Alegre, Prática Zen Budista, Zen Budismo em Porto Alegre | 1 comentário

 
 


No colégio (ufa! quantos anos atrás… ), tive que decorar um poema da era vitoriana inglesa que acabou marcando fortemente a minha alma e serviu de inspiração durante muitos momentos difíceis da minha vida. (Obrigada, Profa. Gillingham!).

Possivelmente, devo o meu aspecto “Fudô-myô” a este poema, que, numa determinada época, cheguei a colar na parede do meu quarto.

Não tinha consciência até recentemente do fato que o mesmo poema havia sido igualmente inspirador para uma das maiores figuras de nossa era, o Nelson Mandala, retratado no filme excelente, dirigido pelo Clint Eastwood, do mesmo título: “Invictus”.

Aqui, reproduzo uma tradução do poema completo, encontrado no site Culturifique, na esperança que ele possa servir de inspiração para os meus alunos e leitores:


Invictus
Desta noite que me cobre
Negra como um poço de borda a borda
Eu agradeço a quaisquer deuses que hajam
Por minha alma inconquistável
Na cruel garra da circunstância
Eu não recuei nem gritei
Sob os golpes da sorte
Minha cabeça está ensanguentada mas não curvada
Além deste lugar de fúria e lágrimas
Surge apenas o horror da sombra
E ainda com a ameaça dos anos
Encontra, e há de encontrar-me, sem temor
Não importa quão estreito o portão
Quão carregado de punições o pergaminho
Eu sou o mestre de meu destino
Eu sou o capitão de minha alma.



Mais informações:

. Wikipédia (em português)

. Wikipedia (em inglês) – com o poema original em inglês

. Fudô-myô (Wikipédia, em português)
Postar um comentário