quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Schopenhauer e o Budismo



Estou lendo  o livro "Schopenhauer e o Budismo ~ a Impermanência, a Insatisfatoriedade e a Insubstancialidade da existência" (Ideia/editora universitária João Pessoa/2012) de autoria do Professor Deyve Redyson da Universidade Federal da Paraíba.  O livro foi indicado pelo Professor Joaquim Monteiro (monge da tradição Terra Pura que reside atualmente em Porto Alegre) que prefacia o livro.


Nessa obra, Deyve Redyson explora o pensamento de Schopenhauer e suas conexões com o pensamento budista (que se desenvolveu na Índia, China e Japão) a partir de determinados conceitos filosóficos. O autor examina o texto do filósofo alemão em busca de ideias advindas do budismo, e nos mostra como tais ideias contribuem para a formação do pensamento e da obra Schopenhauer - obra que por sua vez transforma profundamente a perspectiva da filosofia ocidental sobre a existência intrínseca do ser e mundo. Como o próprio autor aponta, existem publicações anteriores sobre esta temática feitas, sobretudo, por pesquisadores da Europa e Estados Unidos. No entanto, trata-se de um tema pouco explorado entre os pesquisadores do Brasil. 

Deyve Redyson é doutor em Filosofia pela Universidade de Oslo, Noruega. Professor adjunto de Filosofia da Universidade Federal da Paraíba onde também trabalha no Programa de Pós-Graduação em Filosofia e em Ciências das Religiões. Estudou na Dinamarca, Suécia, Alemanha e República Tcheca. Pesquisa Schopenhauer, Feuerbach, Kierkegaard e Cioran. Autor dos livros: Metafísica do Sofrimento do mundo, João Pessoa, Ideia, (2009); Dossiê Schopenhauer, São Paulo, Universo dos Livros (2009) e organizador dos livros: Soren Kierkegaard no Brasil (et all), João Pessoa, ideia (2008); Homem e natureza em Ludwig Feuerbach (et all), Fortaleza, UFC (2009) e Arthur Schopenhauer no Brasil, João Pessoa, Ideia (2010). É membro do GT (Grupo de Trabalho) Schopenhauer da ANPOF e da Sociedade Brasileira de Filosofia da Religião e Sociedade Brasileira de Estudos de Kierkegaard.

Postar um comentário