sábado, 20 de abril de 2013

Quatro estudos científicos sobre meditação

http://static.guim.co.uk/sys-images/Lifeandhealth/Pix/pictures/2011/1/21/1295610161713/How-to-meditate-in-10-eas-001.jpgQuando foi a última vez que você ficou sem fazer nada por 10 minutos? Sem enviar mensagens de texto, conversar ou mesmo pensar em algo que não estava com você no presente momento? O especialista em meditação, Andy Puddicombe, descreve o poder transformador de fazer apenas isso: Revigorar a sua mente com 10 minutos por dia, simplesmente estando consciente e experienciando o momento presente. (Sem precisar de incenso ou sentar em posições estranhas.) 

 

 

Quatro estudos científicos sobre como a meditação pode afetar o seu coração, o seu cérebro, criatividade e... sua vida.

Postado por Kate Torgovnick no TEDTalks


Muitas pessoas tentaram me vender a idéia de meditar. Às vezes eu tento e eu até tive uma ou outra experiência incrível, refrescante. Mas, geralmente, quando eu fecho os meus olhos e me concentro na minha respiração, enquanto eu sei que eu deveria estar deixando todos os pensamentos "seguirem", cada vez mais... a voar pela minha mente... Logo me vem lista de "coisas há fazer" na minha cabeça ... e então minhas pernas adormecer. É tudo vai por água abaixo.


  Hoje no TED assisiti alguém que pode realmente me convencer a dar outra chance para a meditação.

"Vivemos em um mundo extremamente ocupado. Nosso ritmo de vida é muitas vezes frenético, nossas mentes estão sempre ocupadas, e estamos sempre fazendo alguma coisa", diz Andy Puddicombe no "TEDSalon Londres" (Outono de 2012). "A triste verdade é que nós estamos tão distraídos que não estamos mais relamente presentes no mundo em que vivemos. Acabamos por perder as coisas que são mais importantes para nós. A loucura disto é, as pessoas assumem que é apenas a maneira como a vida é. Mas isso não é realmente verdade. A vida não precisa ser assim. Não é assim que tem que ser. "
 
Nesta palestra, Puddicombe - que é tão igualmente desinteressado em incenso cuanto eu - compartilha a sua fascinante história pessoal de como ele se tornou um monge, e dá um argumento convincente por que vale a pena levar 10 minutos por dia para refrescar a mente .
 
"A maioria das pessoas acham que a meditação é parar os pensamentos, livrar-se das emoções, e de alguma forma controlar a mente, mas na verdade é muito diferente do que isso", diz Puddicombe. "É mais sobre "recuar" diante do pensamento, vendo-o claramente - testemunhá-lo indo e vindo - sem julgamento, mas com um foco que relaxa a mente."



 

  • Meditar melhora sua saúde cardio vascular
Por anos, os fãs de meditação têm dito que a prática os mantém saudáveis. Mas num novo estudo, publicado na revista "Circulation: Cardiovascular Quality and Outcomes" em novembro de 2012, testei isso. Para o estudo, 201 pessoas com doença coronariana foram solicitadas a ter uma aula de educação em saúde promovendo uma melhor dieta e exercício (grupo A), ou ter uma aula sobre meditação transcendental (grupo B). Os investigadores acompanharam os participantes por cinco anos e descobriram que aqueles que tomaram a aula de meditação tiveram uma redução de 48% no risco geral de ataque cardíaco, acidente vascular cerebral e morte. E esta é a fase inicial do estudo, mas com um futuro promissor. [Disponível na Revista "Time ~ health & Family"]

 
  • Meditação aumenta a criatividade
Meditar é uma boa maneira de aumentar a criatividade? Talvez, mas isso depende de que tipo. Pesquisadores da Universidade de Leiden, na Holanda distinguiu dois tipos de meditação: a "focada" (por exemplo, concentrando-se em sua respiração) e a de "monitoramento aberto" (onde os participantes se concentram tanto no interno quanto externo) e avaliou e comparou a dois tipos de pensamentos criativos: a capacidade de gerar novas idéias e a soluções para os problemas. No estudo publicado em abril de 2012, em "Frontiers in Cognition", eles revelaram que os participantes que praticavam a meditação de monitoramento aberto foi a que melhor se saia na tarefa relacionada a surgerir novas idéias para se executar (criatividade vinculada a soluções para os problemas). [Disponível na "Meditation Research" ]

  • Meditar aumenta a capacidade de processar a informação diária
Pesquisadores da UCLA queria estudar os cérebros de pessoas que estiveram meditando há anos, e comparar com aqueles que nunca haviam meditado ou que só tinha feito isso por um curto período de tempo. Eles avaliaram exames de ressonância magnética de 100 pessoas - metade meditadores e metade não-meditadores. Eles ficaram fascinados ao descobrir que os meditadores de longa data apresentaram maiores níveis de "gyrification" (termo em inglês para a dobradura do córtex cerebral que podem estar associadas com o processamento de informações mais rápido). Em um estudo publicado na revista "Frontiers in Human Neuroscience" em fevereiro de 2012, compartilhou que, quanto mais anos que uma pessoa tinha na prática de meditação, mais gyrification seus exames de ressonância magnética apresentavam. [ Estudo publicado na revista da Universidade da California "UCLA Newsroom" ]

  • Meditar diminui a resposta ao stress diário
As distrações estão em toda parte. Mas a meditação pode ajudar uma pessoa a navegar melhor por elas? Um cientista da computação da Universidade de Washington, uniu-se com um neurocientista da Universidade de Arizona para testar isto. A dupla recrutou 45 "gestores de recursos humanos", e deu a um terço deles oito semanas de treinamento de meditação baseada em "mindfulness" (meditação da tenção plena, mente alerta ou ainda consciência plena, uma prática meditativa inspirada no Zen), um terço dos quais oito semanas de treinamento de relaxamento do corpo e um terço deles sem formação alguma para controle. Todos os grupos receberam um teste multitarefa estressante antes e depois das oito semanas. Em um estudo publicado nos Disponível como PDF no "Proceedings of Graphics Interface" maio de 2012, que mostra que o grupo "atento", que praticou mediação, enfrentaram com menos estresse entre todos que realizaram o teste de multitarefa. [Estudo publicado pela revista digital Washington.edu]
 
Então, oque você sente sobre meditação agora?

 

Andy Puddicombe é o co-fundador da Headspace, um projeto que tem como objetivo desmistificar a meditação e torná-la aplicável a vida cotidiana. Ele é um consultor Meditação Clínica e ex-monge budista.

Em seus vinte e poucos anos, no meio de sua formação em "Ciências do Desporto" e de uma vida estudantil muito típica, Andy tomou a decisão radical de desistir de tudo e partiu para a Ásia para se tornar um monge budista. Há mais de dez anos, o seu treinamento de meditação o levou por todo o mundo, Nepal, Índia, Birmânia, Tailândia, Austrália e Rússia. Ele se tornou um monge completamente ordenado em um monastério tibetano no Himalaia indiano.

Em 2004, Andy retornou ao Reino Unido, sem vestes de monge, com um objetivo simples em mente: desmistificar a meditação, e fazer seus benefícios cientificamente comprovados acessíveis, relevantes e benéficos para tantas pessoas quanto possível. Após anos de formatação e planejamento, Headspace foi oficialmente lançado na Primavera de 2010.
Postar um comentário