quarta-feira, 29 de agosto de 2012

PALAVRAS DO DARMA

Postado por  Monge Ryozan 29/11/2010

Acordávamos antes dos pássaros. Os insetos chilreavam enquanto nós sentávamos em meditação. No silêncio de nossas bocas, ouvíamos o primeiro piar anunciando a manhã. Assim passávamos os dias. De meditação em meditação, silêncio e orações. Plena atenção aos gestos, passos, olhos baixos.



Havia dor. A dor do corpo não acostumado a tantas horas na mesma posição e a dor da tristeza, da saudade, da incerteza, da culpa.


Havia a dúvida. Havia o medo de perder a razão.

Como se perde a razão? Primeiro seria de bom senso encontrá-la.



Em um vitral da sala em que meditávamos, estava escrito: “Não há religião superior a verdade”. Era o que nós tentávamos encontrar, a verdade. Verdade sobre nós mesmos. Mas ela deveria ser clara e luminosa, afastando a ignorância, a ganância, a raiva, o rancor.



Esperando o momento de me levantar, com as pernas doendo, contando cada inspiração, eu me esquecia de meu propósito e de minha busca. Parece tão simples e é tão difícil. Poucos conseguem, bem poucos se interessam. Queremos sempre ser entretidos. Gostamos de entretenimento. Pode ser televisão, filme, música, teatro, leitura. Podem ser encontros, festas, conversas. Podem ser amores e desamores, afetos e desafetos, brigas, ciúmes, inveja.



Perceba suas emoções, seus pensamentos, sensações. Discernimento é uma palavra que os padres e as monjas gostam muito. Responsabilidade. Escolha.


À noite, antes de ir dormir, antes do último e delicioso toque do sino, que nos permitia levantar, com voz lenta e dramática foi declamado: “Vida e morte são de suprema importância. O tempo rapidamente se esvai e a oportunidade se perde. Cada um de nós deve se esforçar para acordar, para despertar. Não desperdice a sua vida.”



Saíamos da sala em silêncio. Alguns ouvindo tudo, outros nada. Mas a verdade incessante não deixava de ser proclamada. Está sempre em toda a parte e, no entanto, sem abrir o olho da sabedoria, nada entendemos.


Monja Coen
Extraído do texto “O retiro e a verdade de 14 de dezembro de 2003”.
Postar um comentário