domingo, 2 de janeiro de 2011

Zen em pesquisa no Canadá: Como meditadores Zen mudam seus cérebros?

As pessoas que praticam meditação podem reduzir a sensibilidade à dor e modificar a estrutura do cérebro com um espessamento do seu cíngulo anterior.
Segundo um novo estudo publicado em uma edição especial da revista American Psychological Association journal, “Emotion”. O estudo feito por pesquisadores da Universidade de Montreal divulgou a descoberta encontrada através da comparação da espessura da massa cinzenta dos meditadores Zen e não-meditadores.


Eles encontraram evidências de que a prática da disciplina Zen pode reforçar uma região do cérebro central (cíngulo anterior), que regulamenta a dor.

"Através do exercício da disciplina Zen, meditadores Zen parecem engrossar determinadas áreas de seu córtex e esta parece ser a base a sua menor sensibilidade à dor", diz o autor Joshua A. Grant, um estudante de doutorado na Université de Montréal Departamento de Fisiologia e Institut Universitaire de gériatrie de Montréal. "Descobrimos uma relação entre a espessura cortical e da sensibilidade à dor, que apóia o nosso estudo anterior sobre como a meditação Zen regula dor."

Como parte desse estudo, os cientistas recrutaram 17 meditadores e 18 não-meditadores que nunca tinha praticado, nunca tinham experimentado dor crônica, doença neurológica ou psicológica. Grant e sua equipe, sob a direção de Pierre Rainville da Université de Montréal eo Institut Universitaire de gériatrie de Montréal, mediam d sensibilidade à dor térmica, aplicando uma placa aquecida ao grupo de participantes enquanto “escaneavam” o cérebro de indivíduos com aparelhos de ressonância magnética.

Segundo os resultados de MRI, as regiões do cérebro central que regula a emoção e a dor aparecem significativamente mais espessas em praticantes de meditação em relação aos não-meditadores.


As conclusões ´parecem ainda meio arbitrárias: "A postura, muitas vezes dolorosa associada com a meditação Zen pode levar ao córtex mais espesso e menor sensibilidade à dor", diz Grant, observando que as práticas de meditação pode ser útil em geral para a gestão da dor, para evitar normal do envelhecimento reduções de massa cinzenta ou potencialmente de qualquer condição onde a matéria cinzenta está comprometida, como acidente vascular cerebral.


Este trabalho se encontra aqui: "Joshua A. Grant, Jérôme Courtemanche and Pierre Rainville. A non-elaborative mental stance and decoupling of executive and pain-related cortices predicts low pain sensitivity in Zen meditators . Pain , Online 4 November 2010 DOI: 10.1016/j.pain.2010.10.006"


A meditação Zen tem muitos benefícios de saúde, incluindo uma diminuição da sensibilidade à dor. Segundo a nova pesquisa da Université de Montréal, meditadores sentem dor, mas eles simplesmente “não se afentam tanto”. Estes resultados, publicados no mês, a questão da dor, pode ter implicações para pessoas que sofrem dores crônicas, tais como aqueles com artrite, dor nas costas ou câncer.


Outro trabalho avança mais nesta discução:  "Nossa pesquisa anterior provou que os praticantes de meditação Zen tem menor sensibilidade a dor. O objetivo do estudo foi determinar como eles estão conseguindo isso".


Quem diz o autor sênior Pierre Rainville, pesquisador da Universidade de Montreal e do Institut Universitaire de gériatrie de Montréal: "Usando ressonância magnética, foi demonstrado que, embora os meditadores tiveram conhecimento da dor, essa sensação não foi processada na parte do cérebro responsável pelo raciocínio, avaliação ou a formação da memória. Pensamos que se sentem as sensações, mas corte o processo de síntese, abstendo-se de interpretação ou a rotulagem dos estímulos tão doloroso. "

Formação cérebro


Rainville e seus colegas compararam a resposta de 13 praticantes de meditação Zen e 13 não-meditadores a um estímulo térmico doloroso. percepção da dor foi medida e comparada com dados de ressonância magnética funcional. Os praticantes mais experientes Zen apresentaram respostas mais baixa dor e diminuição da atividade nas áreas cerebrais responsáveis pela cognição, emoção e memória (o córtex pré-frontal, amígdala e hipocampo). Além disso, houve uma diminuição na comunicação entre uma parte do cérebro que detecta a dor eo córtex pré-frontal.


Diz  Joshua Grant, um doutorando na Université de Montréal:

"Nossos resultados levam a novos insights sobre a função mente / cérebro. Estes resultados desafiam os conceitos atuais de controle mental, o que é pensado para ser alcançado através do aumento da atividade cognitiva ou esforço. Em vez disso, sugerem que é possível se auto-regular de forma mais passiva, por" desligar "certas áreas do cérebro , que neste caso são normalmente envolvidos na dor de processamento. "


"Os resultados sugerem que praticantes de meditação Zen pode ter uma capacidade de formação relacionadas com elaborar alguns processos cerebrais de ordem superior, enquanto ainda estiver enfrentando o estímulo", disse Raines. "Essa possibilidade poderia acarretar conseqüências amplas e profundas para a dor e regulação da emoção e controle cognitivo. Esse comportamento é coerente com a mentalidade de Zen e com a noção de consciência."


Este estudo foi financiado por uma concessão do Mind and Life Institute, com suporte para Joshua Grant fornecido pelo Canadian Institutes of Health Research.


* Em outras palavras o praticantes Zen "escolhem" como reagir a dor.

Não "sofrem" desnecessáriamente aos estímulos da vida.

E alteram significativamente seus cérebros. Mantendo a mecânica da prática a nivel orgânico.
Postar um comentário