sábado, 1 de janeiro de 2011

Exposição no Museu de História Natural de NY



 








Nesta foto temos o Mestre Zen Budista THICH NHAT HANH como um exemplo de pessoa que desenvolveu abilidades com a meditação que pratica desde os 16 anos.

Diz o cartaz: "Meditar regularmente pode expandir áreas na parte mais externa do cérebro, o córtex. Estudos do cérebro sugerem que pessoas que meditam frequentemente adquirem uma camada mais grossa do tecido em regiões do córtex relacionadas com a atenção e os sentidos!"






Neste painel temos inscrito a seguinte proposta (interpretação minha): "Diferentes caminhos de vida refletem no desenvolvimento do seu cérebro. Ele depende do que você faz!"
As duas fotos acima são da exibição "Brain : The Inside History", divulgadas por Ariyadána no Zafu blog, este recebeu de seu amigo Ismael, que estava por lá por dezembro de 2010.



A exposição, que ficará no Museu de História Natural de NY até dia 15 de Agosto de 2011, explora o funcionamento diário do nosso cérebro e a sua capacidade para permitir-nos desenvolver sentimentos, pensamentos e emoções.


Apesar do seu claro carácter científico, a mostra tem com o propósito tratar de mudar o modo como concebemos normalmente o cérebro.
 

"O cérebro humano, o resultado de milhões de anos de história evolutiva utiliza produtos químicos, moleculares e sinais elétricos para interpretar informações, pesam as decisões e aprender em cada etapa da vida. Com base na pesquisa do século 21 e da tecnologia, Brain: The Inside Story oferece aos visitantes uma perspectiva nova e introspecção afiada em seus próprios cérebros por meio da arte criativa, viva, didática, dinâmica e cheia de exposições interativas e com imagens de tomografias cerebrais por toda a parte... para todas as idades."

A exposição do Museu Americano de História Natural leva aos visitantes as últimas conclusões em neurociência, com destaque para a surpreendente capacidade de o cérebro a se religar em resposta à experiência, deficiência, ou trauma, e apresenta novas tecnologias que os pesquisadores usam para estudar o cérebro e tratar doenças como Alzheimer e Parkinson.

Nisto vale lembrar que a citação da meditação (particularmente a Budista) exemplifica como esta prática esta sendo VISITADA pela ciência convencional...

Obrigado Ismael e Ariyadána !


Uma curiosidade é que o painel de apresentação do museu sobre desenvolvimento neurológico JA ASSOCIA  a meditação Budista como instrumento de upgrade para o cérebro saudável (vide foto1)
Postar um comentário