terça-feira, 13 de novembro de 2012

O que uma neurocientista tem a aprender com a meditação???

Por Emmeline Edwards, Ph.D. *

https://nccam.nih.gov/research/blog/neuroscience



Emmeline Edwards, Ph.D.Mês passado minha filha me deu um conjunto de CDs de meditação de presente de 'dia das mães", e eu resolvi colocá-los em uso. Tenho de admitir que não é tão fácil quanto eu imaginava "acalmar" meu cérebro e entrar em "um estado de espírito de plena atenção com o propósito profundamente voltado para o presente e sem "julgamento" para o que surgisse no momento, seja dentro ou fora de mim." (como propunha a capa dos CDs). Mas não ia desistir facilmente, eu continuei meus 20 minutos de prática diária de meditação. Como uma neurocientista, eu realmente gostaria de entender melhor o que se passava no meu cérebro durante essas sessões ...

Esse sentimento parece ser amplamente compartilhada pela comunidade científica e ao público em geral. Tem havido um crescente interesse em práticas de meditação, pois eles são praticados em várias formas (com e sem movimento), e eles são usados ​​para várias razões, incluindo aumento da qualidade de vida, reduzindo o stress psicológico, e melhorar os resultados de saúde.

A meditação tem sido praticada desde os tempos antigos como um componente de tradições e crenças religiosas. Há, no entanto, vários estilos de práticas de meditação, todos incluem um treinamento da mente e auto-indução de um modo de consciência para perceber algum benefício. Walsh e Shapiro (**) se referem a meditação como uma família "de práticas de auto-regulação que focam a atenção treinamento e conscientização, a fim de trazer os processos mentais sob maior controle voluntário e, assim, fomentar geral bem-estar mental e desenvolvimento e / ou capacidades específicas, como a calma , a clareza, a concentração e "(2006). No Ocidente, a meditação, como percebo,  pode ser dividida em duas grandes categorias:
  • meditação de concentração e 
  • meditação mindfulness.

Como meditação de concentração me refiro aquela onde predominantemente oexiste o exercício da atenção focada (voluntária focalização da atenção em um objeto escolhido) e a meditação mindfulness a quela  onde temos a experiência de monitoramento aberta (não reativa monitoramento do conteúdo da experiência de momento a momento).


As pesquisas em Neurociência tem proporcionado uma compreensão mais profunda de como funciona o nosso cérebro. Diferentes domínios de processamento de informação, incluindo a cognição, emoção, consciência e senso de "si" pode ser caracterizada por meio da ativação ou inibição de estruturas específicas do cérebro e de seus "circuitos". Agora sabemos que para que o cérebro funcione bem é essencial as adequadas atividades mentais e comportamentais. 

Pode-se observar os fatores biológicos associados a meditação mindfulness quando se monitora a atividade cerebral utilizando a leitura eletrofisiologia, emissão de fóton único da tomografia computadorizada (SPECT), a tomografia por emissão de pósitrons (PET) e a ressonância magnética funcional (fMRI). Recentemente, pesquisadores usando ressonância magnética estrutural e difusão de tecnologia de imagem tensor descobriram que as pessoas desenvolvem mensuráveis ​​mudanças físicas, tanto na substância cinzenta e branca do cérebro depois de aprender meditação.

Os pesquisadores da NCCAM (***) estão explorando as associações de principais vias de processamento cognitivo e regulação da emoção por práticas meditativas. A maioria das pesquisas sobre a neurociência da meditação tem sido focada em meditação mindfulness porque é razoavelmente bem padronizado e permite pré-pós estudo dentro de um prazo viável. Os resultados destes estudos sugerem que as práticas meditativas geram efeitos sobre as áreas do cérebro envolvidas na auto-consciência, atenção e emoção.

Sabe-se hoje que a prática de longo prazo pode resultar em efeitos sustentados (duradouros), mas descobriu-se que as práticas iniciais (comuns em praticantes novos ou apenas iniciantes) chamadas de práticas de "curto prazo de formação" geram efeitos muito benéficos em ajudar as pessoas a lidar melhor com o estresse e seus efeitos negativos assim como de traumas.

No entanto, estes estudos ainda são pouco numerosos e ainda temos poucos estudos sobre os mecanismos em indivíduos saudáveis, e ainda pouco se sabe das diferenças individuais, aceitabilidade, ou diferenças associadas aos estados de doença. Enquanto metodologia de imagens do cérebro continua a evoluir, os sinais reproduzíveis precisam ser alinhados com significativos mecanismos comportamentais de forma causal (uma causa que gera algum efeito direto).

Maiores estudos clínicos terão que ser realizados para esclarecer definitivamente os mecanismos e vias pelas quais as estratégias de meditação podem afetar a saúde e identificar medidas biológicas do impacto da meditação. Precisamos também desenvolver e validar melhores medidas objetivas de resultado de práticas de meditação; índices de expectativa e adesão específicos para essas práticas, criteriosas e precisas (processos e práticas) de fidelidade intervenção para práticas específicas.

Enquanto isso, continuo minha meditação diária práticas, buscando uma melhor concentração, auto-controle, e de boa saúde ... 





Dra Emmeline Edwards, Ph.D., é diretora da Divisão de Pesquisa extramuros da NCCAM. Sua divisão desenvolve e supervisiona programas de investigação e formação em investigação Neurológica. Antes de ingressar na NCCAM, Dra. Edwards foi diretora-adjunta do Programa extramuros do Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Derrame (NINDS) e antes foi Diretora do Programa de Sistemas e Neurociência Cognitiva da NINDS. Antes ainda foi diretora do Programa de Neurociência Comportamental da National Science Foundation (NSF) e  representante NSF para o Projeto Cérebro Humano. 


** Meditation: Classic and Contemporary Perspectives. Edited by D. H. Shapiro Jr and R. N. Walsh. (Pp. 722; illustrated; $59.95.) Aldine Publishing: New York. 1984.

***  NCCAM nccam.nih.gov/research ~ National Center for Complementary and Alternative Medicine ~ Rockville Pike, Bethesda, Maryland, EUA.
Postar um comentário