sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Sermão Mensal "Discurso Amável" - 2

Continuando com o sermão mensal do Reverendo Daigaku Rummé ao ocidente, segue a parte dois de seu discurso aos praticantes do Zen. A primeira parte se encontra aqui!


Sermão Mensal

Novembro de 2012 - Discurso Amável - Aigo 愛語 pelo Rev. Daigaku Rummé parte 2

A seção quatro do Shushogi, "Fazendo juramento para benefício das pessoas", começa com uma citação retirada do capítulo Hotsu Bodaishin ("Instauração do bodhi-mente"), do Shobogenzo,
Estimular a reflexão sobre a iluminação é fazer o juramento de salvar todos os seres antes de salvar a nós próprios. Seja um laico ou um monge, um deva ou um ser humano, sofrendo ou não, devemos ter rapidamente a intenção de primeiro salvar os outros antes de nós próprios. Ainda que de maneira humilde, quem ter esta intenção já se torna no professor de todos os seres vivos. Até uma menina de sete anos é professora da assembleia quádrupla, um pai compassivo para os seres vivos.
Este material de estímulo da reflexão sobre a iluminação pode parecer avassaladora para muitos; mesmo fazendo o juramento para benefício de outros pode não parecer tão fácil. No entanto, a nossa missão, como Budistas, é cumprir esses objetivos. Com regularidade, fazemos os juramentos do bodhisattva de salvar todos os seres, eliminar todas as ilusões, dominar todos os ensinamentos do Dharma e realizar o Caminho do Buda. Bodhisattva é um ser que jura despertar para a sua própria mente, além de trabalhar para o benefício de todos os outros seres. Mas como vamos fazer? Em "Os quatro métodos abrangentes de um Bodhisattva", Dogen Zenji aconselha-nos amavelmente quatro tipos de sabedoria que devemos praticar em nossas vidas diárias, como modo de manifestar os nossos juramentos como bodhisattvas. São eles: generosidade (também um dos Seis Paramitas), discurso amável, atos de beneficência e cooperação. Estas quatro práticas também não são fáceis para executarmos devido a nossa ligação à idéia de um ego independente, além desses quatro métodos mostrarem o caminho para a desistência do ego.

Segue-se uma tradução relativamente literal para português dos comentários do Dogen Zenji sobre o "discurso amigável" em "Os quatro métodos abrangentes de um Bodhisattva".
"Discurso amável" significa, quando se conhecem seres vivos, em primeiro lugar sentir compaixão por eles e oferecer palavras de carinho e afeto. Em termos gerais, não devem aplicar-se palavras rudes ou desagradáveis. Em sociedades seculares, existem hábitos de boa educação, perguntando aos outros se estão bem. No Budismo, existem as palavras "Tome cuidado consigo!" e existe a saudação do discípulo: "Como está?" Falar com o sentimento de compaixão para os seres vivos como se fossem bebês, é um discurso amável. Devemos enaltecer os que têm virtude e sentir pena por aqueles a quem falta a virtude. O discurso amável é gradualmente estimulado pelo afeto demonstrado. Assim, o discurso amável que não é vulgarmente reconhecido nem utilizado, manifesta-se a si próprio antes de nós. Embora o corpo e a vida atual existam, devemos desfrutar do discurso amável e não devemos regredir ou desviar ao longo dos anos e das muitas vidas. Seja no desafio e na derrota dos adversários ou na promoção da harmonia entre pessoas afáveis, o discurso amável é fundamental. Ouvir o discurso amável que nos é diretamente dirigido torna o rosto alegre e a mente rejubilante. Ouvir o discurso amável indireto grava uma impressão no coração e na alma. Lembre-se que o discurso amável emerge de uma mente carinhosa e a semente de uma mente carinhosa é a compaixão. Devemos aprender que o discurso amável tem o poder de dar a volta aos céus; não é apenas o elogio da capacidade. (Traduzido para Inglês por Gudo Nishijima)
Cada pessoa pode parafrasear o texto à sua própria maneira, mas uma forma de parafrasear estas palavras no português contemporâneo, seria:
Como nos expressaríamos no discurso como bodhisattvas? Um bodhisattva falaria amavelmente para todos os seres que encontrasse, como se o ego encontrasse o ego, porque, na essência, todas as coisas são uma só. Antes de mais, deveríamos ter sentimentos de genuíno afeto por eles e utilizar as palavras que exprimam a nossa alegria sem os conhecer. Em termos mais gerais, não deveríamos utilizar linguagem áspera ou rude. Mesmo em sociedades seculares, existem hábitos de respeito ao perguntar aos outros como estão. No Budismo, existe a expressão do professor "Tome cuidado consigo!" e existe a saudação do discípulo: "Como está?"Falar com um sentimento de genuíno afeto para os seres vivos como se fossem bebês, é um discurso amável. Devemos enaltecer os que têm virtude e pena por aqueles que não a têm. À medida que desfrutamos ao falar amavelmente com os outros, isto vai estimular-nos a continuar a fazê-lo, cada vez mais. Mesmo quando os outros não parecem apreciar a nossa intenção de sermos amáveis, existem resultados invisíveis. O discurso amável é a base para ultrapassar aqueles que estão irritados e são hostis, além de promover a harmonia entre os outros. Quando ouvimos um discurso amável que nos é dirigido, sentimo-nos felizes e a mente rejubila. Quando ouvimos que alguém disse algo amável sobre nós na nossa ausência, isto causa uma profunda impressão no nosso coração e espírito. Lembre-se que o discurso amável emerge de um coração carinhoso e que a semente de um coração carinhoso é a compaixão. Devemos aprender que o discurso amável tem o incrível poder de fazer coisas que parecem impossíveis e não é apenas uma questão de elogiar as capacidades de alguém.
Continua
Postar um comentário