sábado, 12 de março de 2011

Estamos passando por momentos muito difíceis.



Tolerância e paciência


A fonte verdadeira de meu sofrimento é o auto-centramento: meu carro,minhas posses, meu bem-estar. Sem o auto-centramento, o sofrimento não surgiria. O que aconteceria no lugar disso?
É importante imaginar isso de modo completo e focar em seus próprios exemplos. Pense em algum infortúnio que te dá vontade de explodir, que faz surgir a raiva ou angústia. Então imagine como você reagiria sem sofrer. Reconheça que não precisamos vivenciar a angústia, muito menos a raiva, ressentimento e hostilidade. A escolha é sua.
Vamos continuar com um exemplo. Alguém bate em seu carro. O que precisa ser feito? Pegue os dados do outro motorista, registre a ocorrência, contate o seguro, lide com todos os detalhes. Simplesmente faça isso e aceite. Aceite com satisfação, como uma maneira de fortalecer sua mente, desenvolver paciência e a armadura da tolerância. Não há como se tornar um Buda, permanecendo inseguro e vulnerável.
A paciência não surge de repente como um bônus após a iluminação total. Faz parte de todo o processo do despertar desenvolver maior tolerância e equanimidade diante da adversidade. Shantideva, no sexto capítulo de seu “Caminho do Bodisatva”, eloquentemente aponta que não há como desenvolver paciência sem encontrar a adversidade, e que a paciência é indispensável para nosso próprio crescimento no caminho para a iluminação.



Quero aprender a ser assim... mas no momento sinto tristeza e angústia diante da injustiça e da incompetência dos governantes...



Gasshô a todos!

Postar um comentário