domingo, 5 de maio de 2013

Bossa Zen: Dificuldades são o Combustível da Prática.

Bossa Zen"

Dificuldades são o Combustível da Prática


Este último retiro que fiz foi atípico, com algumas coisas estranhas acontecendo e sob as quais ninguém podia interferir. Você vê alguém sofrendo, ou chorando é normal isso te toca.Você quer saber o que a pessoa do teu lado tem, qual seu sofrimento, mas seu professor te diz: "Não olhe! Não saiba!" Num primeiro momento é difícil aceitar que vc. não pode interferir. Também não significa que vc. não se importa. Mas vc. não está ali para se preocupar com o problema do outro. Quem tem que lidar com isso é o professor.

Lembrei de dois retiros que fiz em que havia cães circulando na sala de meditação. Num primeiro momento era estranho aquela situação. Sou alérgica a pelos, cheiros fortes, etc. Eu via que algumas pessoas ficavam incomodadas com os cães, mas por mais que eles me distraíssem rolando no chão, bocejando, dormindo na minha frente, sonhando sonhos ruidosos, com o passar do tempo eu aprendi a ignorar a presença deles e no fim até sentia a falta quando não estavam presentes.

Todos esses eventos mais me ajudaram que incomodaram porque não me apeguei a "gosto-não gosto" disso. Vi na situação um impulso para me dedicar mais e aprender com a situação ser amorosa e compassiva.

Mestre Seung Sahn costumava dizer que uma vida fácil e confortável não é muito boa para a prática. Que precisamos complicar um pouco, no bom sentido. Se tudo está bem porque vamos querer praticar. Mas basta as coisas se complicarem e corremos para alguma pratica religiosa em busca de bem estar. Quanto quanto tempo vamos conseguir manter esse bem estar?

O bem estar não é ponto mais importante na prática religiosa e sim ter uma "mente que não sabe". Essa mente que não se move diante dos eventos e que é capaz de ficar firme e forte diante de qualquer situação. Sem perder a coragem, sem  hesitar, sem temer.

Lembrei de um koan que se chama "O Búfalo d´água está passando pela janela."

Imagine se um búfalo estivesse andando na sala de meditação, passando seu rabo na cabeça das pessoas sentadas nas almofadas, babando nas suas costas, exalando seu odor e quem sabe deixando fezes pelo caminho. Quantos conseguiriam ignorar sua presença e seguir sentados sem se perturbar? Quantos não se levantariam e diriam:"Assim já é demais. Não vim aqui pra isso!" E sairiam correndo dali.

Os obstáculos são ótimos para praticar. As dificuldades são ótimas para praticar. Se tudo estiver zen, tranquilo, sem nenhum incomodo, o que acontece? Talvez nada. Talvez apenas fiquemos ali aguentando uma posição incomoda e esperando o tempo passar até que aquela prática que parece uma tortura física acabe.

Mas se soubermos usar os incomodos e as dificuldades a nosso favor podemos aproveitar muito mais da prática. E não estaremos apenas sentados sentindo as dores do corpo. Poderemos experimentar o sentar mente-corpo. A verdadeira meditação.

Postar um comentário