segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Descobertas sobre imunidade ganham o Nobel de Medicina de 2011


Bruce Beutler, Jules Hoffmann e Ralph Steinman, falecido na última sexta-feira, foram anunciados como vencedores

iG
 

<span>Dr. Ralph Steinman: notícia do falecimento não chegou aos organizadores do Nobel a tempo</span> - <strong>Foto: AP</strong> <span>Jules Hoffman: trabalho sobre sistema imunológico de moscas</span> - <strong>Foto: AP</strong> <span>O americano Bruce Beutler confirmou as descobertas de Hoffmann em mamíferos</span> - <strong>Foto: AP</strong>
Dr. Ralph Steinman: notícia do falecimento não chegou aos organizadores do Nobel a tempo - Foto: AP
1/3

Em uma cerimônia que se iniciou às 11h30 em Estocolmo (6h30 no horário de Brasília), a Fundação Nobel deu início ao anúncio de seus premiados em 2011 com o prêmio Nobel de Medicina ou Fisiologia. O prêmio foi dividido entre o americano Bruce A. Beutler, Jules A. Hoffmann, de Luxemburgo, e Ralph M. Steinman, do Canadá.

Mas o anúncio foi feito antes do comitê do prêmio saber de uma notícia triste: Steinman, que chefiava o Centro de Imunologia e Doenças Imunes da Universidade Rockfeller, em Nova York, faleceu aos 68 anos de câncer pancreático na última sexta-feira (30). Ele teria direito a metade do prêmio, de 1,5 milhões de dólares (cerca de 2,8 milhões de reais). A Universidade anunciou seu falecimento praticamente ao mesmo tempo em que o Nobel era anunciado.

Leia também:
Conheça os premiados do ano passado nas áreas de Ciência

O intrincado mundo do Prêmio Nobel
Ig Nobel: o prêmio da ciência bizarra.

O Instituto Karolinska, responsável pelo Nobel, fez uma reunião de emergência para deliberar o assunto e anunciou que mesmo com esse fato, o prêmio vai ser considerado válido. Desde 1974, o Nobel não pode ser dado postumamente, a não ser que o laureado faleça entre o anúncio do prêmio e sua entrega, que tipicamente acontece dois meses depois. Também de acordo com as regras, Steinman teria morrido sem saber que ganharia um dos maiores prêmios da ciência mundial. "O Prêmio Nobel foi dado a Ralph Steinman em um ato de boa fé, baseado na informação que ele estava vivo," disse o Instituto Karolinska, que organiza a premiação, em um comunicado. "Deste modo, a Fundação Nobel acredita que o que aconteceu é correlato com o exemplo em nosso estatutos que mantém o prêmio a quem foi laureado e faleceu antes da cerimônia de entrega". Foi a primeira vez na história do Nobel que algo do tipo aconteceu.
Foto: AP Ampliar
Anúncio dos vencedores do Nobel de Medicina, esta manhã: morte de Steinman traz uma situação inédita para o prêmio


Defesas do corpo
Os trabalhos de Beutler e Hoffman e de Steinman ganharam o Nobel por ter trazido novas compreensões sobre o funcionamento do sistema de defesa do corpo humano. "Os premiados do Nobel deste ano revolucionaram nossa compreensão do sistema imunológico ao descobrir as principais chaves de sua ativação", diz o texto que anunciou os ganhadores.

Beutler e Hoffmann descobriram proteínas no corpo que reconhecem microorganismos invasores e ativam seu sistema de defesa, enquanto Steinman descobriu as células dendríticas e sua capacidade única de ativar e regular as fases finais da resposta imunológica, quando o organismo “se livra” de seus invasores.
Bruce Beutler, 54 anos, é professor de genética e imunologia no Insituto de Pesquisa Scripps, em La Jolla, na Califórnia. Jules Hoffmann, 70, chefiou um laboratório de pesquisa em Estrasburgo, na França, entre 1974 e 2009 e foi presidente da Academia Nacional de Ciências entre 2007 e 2009.
Hoffman fez sua descoberta em 1996, ao pesquisar como as moscas de frutas combatiam infecções. Dois anos mais tarde, uma pesquisa de Beutler em ratos mostrou que o mesmo mecanismo das moscas acontecia também em mamíferos.
Já Steinman descobriu as células dendríticas em 1973. Elas são capazes de ativar as células T, que produzem anticorpos contra infecções e guardam na memória as características do microorganismo invasor, de modo a mobilizar as defesas do corpo mais rapidamente no caso de um novo ataque.
 
A cerimônia de entrega dos prêmios acontecerá no dia 10 de dezembro em Estocolmo. No ano passado, o cientista britânico Robert Edwards, considerado o pai do bebê de proveta, recebeu o prêmio por seus esforços na pesquisa da fertilização in vitro.

Nos próximos dias, a Fundação Nobel anunciará os vencedores das demais categorias, correspondentes a Física, Química, Literatura, da Paz e Economia.
Postar um comentário