segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Revisando a relação "Meditação e Medicina"

Em fevereiro de 2006, a agência do governo dos Estados Unidos responsável pelas pesquisas médicas (Institutos Nacionais de Saúde dos. EUA, NIH na sigla em inglês) reconheceu formalmente a meditação como uma prática terapêutica que pode ser associada à medicina convencional. Em maio do mesmo ano, o Ministério da Saúde brasileiro baixou uma portaria em que incentiva postos de saúde e hospitais públicos a oferecer a meditação em todo o País.

Essas recentes ações governamentais são sinais da tendência de encarar a meditação não simplesmente como uma prática de bem-estar, que faz bem apenas à mente e ao espírito. Parar por alguns minutos diariamente para se concentrar e se desligar do turbilhão de pensamentos que constantemente ocupa a cabeça também ajuda a manter a saúde física.

"A meditação é diferente da medicina convencional porque quem cuida de você não é o médico. É você mesmo", explica a médica Kátia Silva, que coordena as atividades de meditação no Hospital Municipal Vila Nova Cachoeirinha, em São Paulo.. Na cidade, 70% dos postos de saúde oferecem atividades da chamada medicina tradicional, que inclui acupuntura, tai chi chuan e meditação.

Uma pesquisa com a palavra meditação no acervo online da Biblioteca Nacional de Medicina, do governo americano, traz mais de 300 estudos científicos sobre o tema. Entre outros benefícios, eles mostram que meditar previne e combate a depressão, a hipertensão arterial, a dor crônica, a insônia, a ansiedade e os sintomas da síndrome pré-menstrual, além de ajudar a reduzir a dependência de drogas.

Segundo sugerem esses estudos, a meditação interfere no funcionamento do sistema nervoso autônomo, que é responsável, por exemplo, pela liberação de noradrenalina durante os momentos de estresse. Em quem medita, a duração dessas "reações de alarme" são mais curtas. Dessa forma, a pressão do sangue e a força de contração do coração ficam alteradas por pouco tempo, comprometendo menos a saúde.

Apesar de serem evidentes os benefícios, a ciência ainda não consegue entender de forma detalhada como a meditação age no sistema nervoso.

Segundo especialistas, os efeitos iniciais são sentidos logo nas primeiras semanas. A aposentada Maria Elza Lima dos Santos, de 60 anos, descobriu a meditação no Hospital Vila Nova Cachoeirinha. Ela vivia com crises de pressão alta, que passaram após quatro meses de práticas diárias. "Antes, eu era muito nervosa. A minha cabeça estava sempre cheia de problemas. Aí a pressão subia. Agora fico mais relaxada, sinto uma paz de espírito", conta ela, explicando que no princípio teve dificuldades com a técnica. "Levei um mês para aprender a me concentrar."

De acordo com o obstetra Roberto Cardoso, autor do livro "Medicina e Meditação - Um Médico Ensina a Meditar" (MG Editores; 136 págs), muitos profissionais de saúde ainda têm preconceitos em relação à prática. "Mas isso deve mudar com o avanço das pesquisas. A meditação começa a trilhar os passos da acupuntura, que já é um recurso reconhecido pela classe médica."

No Brasil, a instituição pública que mais estuda o tema é a escola médica da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), uma das mais conceituadas do País. Isso, de acordo com os especialistas, ajuda a separar a imagem religiosa e mística que normalmente se tem da meditação. A meditação, explicam, não precisa ser necessariamente ligada a uma crença oriental.

Para que a meditação cumpra seu papel de medicina complementar e preventiva, o psicólogo José Roberto Leite, coordenador da Unidade de Medicina Comportamental da Unifesp, explica que ela deve ser constante. "É como comer ou fazer exercícios. Não adianta só uma semana para que você se mantenha saudável. A meditação precisa ser uma atividade diária. Os efeitos se sentem a longo prazo."

A meditação provoca sempre os mesmos efeitos sobre o organismo, não importa qual seja a linha ou a técnica. Todas usam a concentração para manter o pensamento focado - pode ser um som (como um mantra), um ponto fixo ou a própria respiração. Com a mente fixa em algo, a pessoa não se perde no turbilhão de pensamentos que tomam conta da cabeça no dia-a-dia.

Normalmente as pessoas meditam sentadas. Mas há quem consiga fazê-lo caminhando e até lavando os pratos - o importante é a mente concentrada em algo.

Segundo especialistas, é possível aprender a meditar sozinho, mas o processo é mais fácil com um instrutor. Recomenda-se que a prática dure entre 10 e 20 minutos e seja feita uma ou duas vezes ao dia.

Fontes:

Agência Estado http://sna.saude.gov.br/imprimir.cfm?id=3232

e www.ericabrandt.net/clipping_pdf/04_fev_2010_1_ClicNews.pdf



A minha sugestão de meditação é o "Zazen"

Zazen (japonês: 坐禅; chinês: zuò chán (pinyin) ou tso-chan) é a base da prática Zen Budista.

O objetivo do zazen é "apenas sentar", com a mente aberta, sem apegar-se aos pensamentos que fluem livremente. Isto é feito tanto através do uso de koans, o principal método Rinzai, ou o sentar-se completamnete alerta (o "apenas sentar", shikantaza), o qual é o método da escola Soto. [1]


O princípio do zazen é o de que uma vez que a mente esteja livre de suas diversas camadas, pode-se realizar a natureza búdica, atingindo-se a iluminação (satori).

 

Prática

 

A prática do zazen consiste basicamente em sentar-se em uma posição confortável, com a coluna ereta, em períodos de até 40 minutos, intercalados com meditação andando (Kinhin).

 

Durante esse tempo deve-se procurar observar os pensamentos e sensações que surgem, sem buscar reprimi-los, causá-los ou julgá-los. É tradicional o uso de zafu e zabuton como almofadas, na qual o praticante fica sentado.


Um excelente guia para a prática do zazen foi escrita pelo monge zen budista japonês Dogen[2] no século XIII[3]

 

Referências: Instruções para o Zazen e aqui: http://zendovirtual.wordpress.com/pratica-em-casa/praticar-zazen-em-casa/

  1. Rinzai e Soto são as principais escolas de Zen no Japão; ambas tiveram origem na China como as escolas Linji e Caodong, respectivamente.
  2. Dogen é considerado o fundador da escola Soto de Zen no Japão.
  3. Zazengi numa tradução do Soto Zen Text Project(em japonês com tradução para o inglês).

 

Palavras chave:
Postar um comentário