domingo, 27 de maio de 2012

Não fique mirando o resultado...



dzongsar khyentse rinpocheQuais são os sinais de progresso em nossa prática? O que podemos esperar? Devemos aguardar um sinal do guru? Uma recompensa? 
Segundo Karma Chagme Rinpoche, não teremos nenhuma experiência, nenhum sonho especial, nenhuma visão pura. O “rei de todos os sinais” — também conhecido como “sinal do não-sinal”, tão estimado pelos mestres Kagyupa do passado — é quando a mente de renúncia, a tristeza e a devoção queimam em sua mente. 
Os sinais a serem mais estimados incluem um apetite crescente pela prática do darma; a percepção da futilidade de tudo que você faz; os conflitos que só aumentam, como resultado de antigos hábitos; e, embora ainda tenha o impulso de festejar com os amigos, ser atormentado pela sensação inoportuna de que a coisa toda é um inútil desperdício de tempo. 
Então, não fique sempre mirando a finalização da prática. Em vez disso, tente aceitar que sua jornada espiritual não vai acabar nunca. Sua jornada começa com a aspiração de que você, pessoalmente, traga todos os seres sencientes à iluminação, então — até que essa aspiração seja preenchida — suas atividades como um bodisatva jamais vão acabar.


Dzongsar Khyentse Rinpoche ~ Thubten Chökyi Gyamtso, também conhecido como Khyentse Norbu, nasceu no Butão em 1961 e foi reconhecido por S.S. Sakya Trizin como a terceira reencarnação de Jamyang Khyentse Wangpo, fundador da linhagem Khyentse, e como a reencarnação direta de Jamyang Khyentse Chökyi Lodrö.

Recebeu iniciações e ensinamentos dos grandes lamas de sua época, incluindo Sua Santidade o Dalai Lama, o 16º Gyalwang Karmapa, Kyabje Dudjom Rinpoche, seu avô, e Trinley Norbu Rinpoche, seu pai. Seu principal professor, no entanto, foi Kyabje Dilgo Khyentse Rinpoche. Por pertencer à tradição Khyentse que é não-sectária (Rime), recebeu ensinamentos de mestres das quatro principais escolas do budismo tibetano. Mais tarde, ingressou na Escola de Estudos Orientais e Africanos de Londres.
Desde muito jovem trabalha ativamente pela preservação dos ensinamentos budistas estabelecendo centros de aprendizado, sustentando praticantes, publicando livros e ensinando no mundo inteiro. Dzongsar Khyentse Rinpoche supervisiona o monastério Dzongsar e centros de retiro no Tibete Oriental, bem como suas novas faculdades na Índia e no Butão. Também estabeleceu centros de prática na Austrália, nos Estados Unidos e no Extremo Oriente que são coordenados pela instituiçãoSiddhartha's Intent. Rinpoche também é cineasta, tendo dirigido os filmes A Copa (1999 ~ este eu vi... é MUITO legal. Sugiro a todos) e Viajantes e Mágicos (2003).


Postar um comentário