domingo, 3 de junho de 2012

O cientista Miguel Nicolelis afirma que o próximo caminho é um "corpo substituto"






'Culto ao corpo acabou', diz cientista Miguel Nicolelis, em Ribeirão Preto Neurocientista está na lista dos 20 melhores de publicação internacional. Nicolelis afirma que robótica pode ser aliada na busca por movimentos.

(Foto: Carolina Visotcky/G1)

“Tenho uma boa e uma má notícia: a má é que o culto ao corpo acabou e a boa é que agora começa o da mente”, foi assim que um dos 20 maiores cientistas do mundo segundo a revista Scientific American, Miguel Nicolelis cativou o público que lotou o Teatro Pedro II durante sua apresentação na Feira Nacional do Livro de Ribeirão Preto, na noite deste sábado (2).

Dono de 46 prêmios internacionais e responsável por estudos onde a neurociência consegue desafiar os limites do corpo, Nicolelis mostrou com experiências feitas com macacos que a robótica pode ser a aliada de pessoas com deficiências físicas através de um corpo artificial na busca por movimentos impossíveis de acordo com cada limitação.

Durante a apresentação, Nicolelis mostrou vídeos onde em estudos comandados por ele nos Estados Unidos, macacos conseguem movimentar braços mecânicos e até um robô que estava no Japão por meio de sinais enviados pelo cérebro. Segundo o neurocientista, isso é possível porque o órgão funciona com previsões que comandam o corpo cerca de meio segundo antes de cada movimento. “O cérebro manda o sinal e os músculos obedecem a mente”, afirmou.

Para o pesquisador, o Brasil ainda precisa de mais investimentos em ciência e educação em geral para que se criem oportunidades para que os jovens interessados em ingressar na profissão possam contribuir para o desenvolvimento do país e garante que um evento esportivo pode ser um começo para construir uma nova imagem do país do futebol. “ Na abertura da Copa de 2014 um deficiente físico dará o primeiro pontapé no primeiro jogo com uma perna robótica para mostrar que somos o país da ciência”, afirmou.
Postar um comentário