quarta-feira, 6 de junho de 2012

O prefeito Fortunati, Regina e a galinha!!!

Inícialmente postado por rosane_oliveira, 05 de junho de 2012 e adulterado por mim.

 
 
Tiro meu chapéu para as pessoas que têm imaginação.

A foto do prefeito José Fortunati e da primeira-dama Regina Becker salvando uma galinha, ontem à noite, é o assunto mais comentado da Página 10 (Zero Hora) de hoje.

Rosane Oliveira recebeu cartas de leitores fazendo piada, outros lhe acusando de fazer propaganda gratuita para o prefeito, outros ainda considerando que a notícia era prova da falta de assunto para pauta.

A verdade é que a foto deu o que falar ... para o bem e para o mal.

A excelente E SORTUDA fotografa Adriana Franciosi diz que captou o flagrante assim:

"Tinha feito a cobertura do encontro de Fortunati e da deputada Manuela D'Ávila com o PP e estava voltando para a redação quando viu o carro do prefeito parar e o casal descer para salvar a galinha (CREIAM...).

Os criativos da internet pegaram a foto do prefeito com a galinha e inventarm mil criações, como se pode ver neste link. Até o esquilinho do Zaffari entrou na brincadeira. Particularmente, gostei daquela do prefeito espiando na ciclovia. Divirtam-se, que um pouco de bom humor torna a vida mais leve:
http://fortunatieagalinha.tumblr.com/







 
 O fato é que na noite de segunda-feira (04/06) o prefeito José Fortunati (PDT), ao sair de uma reunião com o PP, partido que está tendo o apoio disputado entre ele e a Manuela (PCdoB), uma cena inusitada ocorreu, típica do Fortunati pré-eleições: o resgate de uma galinha que estava perdida no trânsito (???).

A galinha, que estava cruzando a Avenida Augusto de Carvalho, ao lado da Câmara de Vereadores de Porto Alegre, cruzou próximo ao veículo do prefeito. Mesmo com a galinha respeitando as leis de transito, no momento do "salvamento" ela estava cruzando na faixa de segurança, Fortunati prontamente desceu do veículo e foi realizar sua boa ação, obviamente com direito a fotografia oficial (acima) enviada para a imprensa.

A rede não perdoa e já está rolando uma série de divertidas paródias com o "resgate" da galinha feito, de forma heroica, pelo prefeito Fortunati.
Abaixo segue algumas delas:











 Esta eleição PROMETE...

Primeiro o prefeito de Porto Alegre inaugurou o primeiro trecho da ciclovia da Avenida Ipiranga, uma das principais vias da capital gaúcha. A obra, que gerou polêmica desde antes de sair do papel - por questões técnicas e orçamentárias - teve seus primeiros 416 metros concluídos em 7 meses. No evento de inauguração, que aconteceu ontem, o prefeito porto-alegrense José Fortunati fez questao de mostrar sua suposta intimidade com a bike, mas mostrou que de ciclovia ele não entende muita coisa - veja só ele trafegando na contramão!


Para aprofundar sobre o tema, segue abaixo artigo do Marcelo Sgarbossa e Cristiano Lange dos Santos sobre a questão da ciclovia em Porto Alegre.


Ciclovia da Ipiranga: caso típico de Síndrome de D.A.D (Decido, Anuncio e Defendo) em POA 
 
Apartir daqui escrito por Cristiano Lange dos Santos e Marcelo Sgarbossa

Essa semana, passados mais de sete meses do anúncio oficial, foi inaugurada, mesmo que muito rapidamente, mas com pompa e festejos pela Prefeitura de Porto Alegre a ciclovia da Ipiranga. Também foi celebrado por certos meios de comunicação que anunciam distorções, induzindo seus milhares de leitores ao erro sobre a referida pista cicloviária, ao tratar de uma grande realização para a cidade e a população.

Diante desse fato, pretendemos aqui debater algumas questões sobre o projeto da ciclovia da Ipiranga, assim como acerca do planejamento cicloviário urbano da cidade de Porto Alegre desenvolvido pela atual gestão municipal.

Cumpre referir que a cidade possui um Plano Diretor Cicloviário Integrado (PDCI), Lei Complementar 626, de 15 de julho de 2009 que apresenta o modal da bicicleta como uma opção de transporte para o atendimento das demandas de deslocamento no espaço urbano, com condições de segurança e conforto, mediante o planejamento e a gestão integrada de todos os modos de transporte, garantindo a prioridade aos meios coletivos e aos meios não motorizados.

Destacamos ainda, que o Plano Diretor Cicloviário Integrado, dispõe sobre a Prefeitura Municipal deverá, repassar anualmente o mínimo de 20% (vinte por cento) do montante financeiro arrecadado com multas de trânsito para a aplicação na construção de ciclovias e em Programas Educativos relacionados ao uso adequado da bicicleta.

Embora não seja o objeto do texto, é importante mencionar que a lei não foi cumprida pela Prefeitura Municipal, ao ponto de ter que ser acionada judicialmente pelo Ministério Público a devolução dos 6 (seis) milhões destinados a esse objetivo.

Esse é o ponto crucial: a completo descumprimento do planejamento integrado no que se relaciona a temática cicloviária na cidade de Porto Alegre.

Efetivamente, quantos quilômetros de ciclovia a cidade possui hoje?

Bem, com a inauguração do primeiro trecho da Ipiranga, tem-se, efetivamente, 400 metros de ciclovia.

]Trata-se de uma ilha no contexto de uma cidade como Porto Alegre.

Apenas a titulo de comparação com as demais capitais brasileiras, Porto Alegre, ficou com média de 0,28% (zero vinte oito por cento) num total de 10, o pior índice sobre mobilidade urbana na temática ciclovias segundo a pesquisa realizada pela Equipe Mobilize Brazil (Mobilidade Urbana Sustentável) em 2011.
Sem considerar os erros estruturais que fundamentam o projeto. Pode-se dizer que são os metros mais caros que uma ciclovia pode custar.

Ademais, o projeto não atende a princípios básicos da ciclovia: i) o princípio da directibilidade, que é a continuidade na pista, uma vez que num trecho curto, de aproximadamente 9 (nove) km, é preciso mudar de pista, no mínimo, em cinco oportunidades; ii) o princípio da conectividade, já que liga nada a lugar nenhum, pois a ciclovia encontra-se completamente isolada.

Ainda no mesmo sentido, os cicloativistas sentem-se desrespeitados, com a proposta apresentada, uma vez que sequer foram consultados sobre a concepção da obra.

Trata-se de um caso típico de falta de dimensão participativa, chamado no estudo da análise de políticas públicas, da Síndrome de D.A.D do Administrador Público, que é uma sigla que traduz as iniciais de
Decido, Anuncio e Defendo.

Isso significa que o Administrador – que a princípio deveria ser Público – decide sozinho, ou no máximo em âmbito de gabinete, qual e como a política pública ou programa deve ser implementado, sem qualquer consulta ou participação popular dos beneficiários e usuários do projeto, ação ou programa.

Na segunda fase, ele anuncia com o fim de buscar a idealização daquele programa, ação, obra ou projeto procurando dar visibilidade e projeção aos seus feitos. Por último, mesmo sendo contrariado, por ter ignorado a opinião pública e a participação dos usuários, ele defende sua ideia de programa, projeto ou política pública ao máximo, levantando argumentos favoráveis e justificando a defesa com base no interesse público.
É o caso da ciclovia da Ipiranga.
Para termos uma idéia, segundo os cálculos de um colega cicloativista, no ritmo atual, a ciclovia inteira (9,4 Km) ficará pronta em 2025. E no mesmo ritmo, os 495 Km previstos no Plano Diretor Cicloviário Integrado (PDCI) estarão prontos daqui a 730 anos.
Pior de tudo isso, é perceber que o que importa nesse momento, não é a qualidade de vida da população, nem a melhora no modelo de mobilidade urbana, com a redução de acidentes fatais, mas a foto e o registro com fins meramente eleitoreiros.
Pois é, quem sabe um dia, mesmo que distante, a ciclagem de Porto Alegre possa a vir ser realidade.
Cristiano Lange dos Santos é advogado. Especialista e Mestre em Direito, foi Professor de Direito Constitucional na Faculdade de Direito da Anhanguera de Passo Fundo. Atua como Procurador Jurídico do Laboratório de Políticas Públicas e Sociais – LAPPUS.
Marcelo Sgarbossa é advogado. Mestre em Análise de Políticas Públicas pela Universidade de Turim (Itália) e Doutorando em Direito pela UFRGS, professor da ESADE e Diretor do Laboratório de Políticas Públicas e Sociais – LAPPUS.

Tags:

 
Postar um comentário