quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Mente, Samsara e vacas malhadas...



É a própria mente de um homem, 
e não seu inimigo ou adversário, 
que o seduz para caminhos maléficos.


Frase creditada a  Siddhārtha Gautama Buddha



Precisava dividir uma historinha com vocês. A bem pouco tempo fui testemunha de uma situação interessantíssima no aspecto do psiquismo cotidiano da mente vivendo no samsara.

Todos nós estamos nadando no samsara. Mas não nos damos conta disto com facilidade. 

Muitas vezes só podemos perceber seus "ventos" atuando e impregnando a realidade quando observamos a nós mesmos em uma posição de distanciamento (chamada de posição de 3ª pessoa por psicólogos) ou quando somos testemunhas de ocorrências na vida de outras pessoas. 

Pois bem...

Uma amiga me contou esta história como uma situação inusitada em sua vida. Ela e o marido tem um casal de amigos que são muito queridos por ambos. Um casal juntos a muito tempo. Esta minha amiga assistiu o longo esforço do casal para engravidar. Era um projeto adiado algumas vezes e realizado com muita expectativa.

Um dia o marido de minha amiga lhe veio cheio de dedos e desconforto dizer que o marido do casal estava passando muito tempo em um sítio no interior. Sozinho. Ele disse que tinha coisas que lhe ocupavam o tempo longe de casa. Que se o esposo de minha amiga lhe jurasse segredo lhe contaria. O esposo de minha amiga concordou , mas ficou tão 
decepcionado que não conseguiu guardar segredo pois a verdade estava lhe consumindo, precisava dividir com minha amiga o fardo.

A questão é que o amigo em questão disse que estava com uma outra família no interior... Chamava a outra de "lindona", que era uma figura impar, jovem, malhada e tal, que já tinha um filho e que ele estava lhes dando abrigo no sítio do interior.

Assim como seu esposo minha amiga estava desconcertada e que sofrera muito só imaginando como poderia uma pessoa que ela conhecia bem, estar com a mulher de resguardo, esperando um filho seu e se amasiando com uma china malhada mãe solteira, ainda por cima... 

Era demais... Foram 24 horas de tortura e desconforto. Devia avisar a amiga? Devia tomar as dores dela e sair em sua defesa?

Sofrerá horrores sem dormir direito pensando no que fazer. No outro dia o marido de minha amiga iria encontrar-se com o marido do casal e voltou com mais notícias. 
Pediu para minha amiga sentar e ficar calma... ela esperava pelo pior... pensava que o marido lhe dissesse que o filho da "vaca malhada" (ela não conhecia a mulher mas já achara um apelido para ela) era do amigo... isto explicaria muita coisa... mas também tornava a coisa ainda mais cruel, pois fazia perceber que o relacionamento adúltero era mais antigo. Quantos anos devia ter a criança? A quanto tempo ele vinha mentido para todos.

Minha amiga suava frio com medo e raiva. Quase chorava só de pensar na amiga enganada e inocente gerando um filho de um traidor.

Foi quando o seu marido começou a falar e falar... e sorrir e rir até. Ela ouvia os sons mas não conseguia "ouvir" o que ele dizia. Ele lhe passou uma foto. Nela tinha uma paisagem que ela reconheceu instantaneamente: O sítio do casal de amigos. O Ipê rosa florido, a casinha de janelas pintadas e uma vaquinha com bezerro ao fundo.


Ela levou um tempo para juntar as imagens da foto em suas mãos com as palavras soltas que chegavam em sua cabeça. "-- Esta é a "malhada" do fulano, meu bem..." E ria seu marido.


Era uma piada, mas não era uma piada. Realmente o amigo de minha amiga comprara uma vaca com bezerro em segredo para o sítio da sua família. Realmente ele fizera segredo para com eles e com a própria esposa. E realmente minha amiga SOFREU por tudo que ela "sentiu" e "pensou", sem nada daquilo ser real.

Toda a tortura que ela passou foi gerada e alimentada por falsas informações e imaginação descontrolada.

Claro que poderia acontecer com qualquer um. Eu incluso. Ela ria quando me falou da história, mas eu vi nos seus olhos que ela "sentiu" de verdade a angustia que sentiu.


Foi REAL para ela.



Postar um comentário