domingo, 9 de setembro de 2012

Nos EUA, ateus homenageiam garota que agiu contra oração na escola

Não é de hoje que levantamos a questão do ESTADO LAICO sair do papel.

E os que mais tem a ganhar com a adoção REAL do Estado Laico são exatamente os "religiosos".

Enquanto as pressões das bancadas evangélicas apontam para uma religião "correta" e todas as outras erradas o Estado Laico aponta para que TODA A FÉ É LEGÍTIMA, MAS deve se manter FORA das questões do Estado.

Em quanto isto:


Nos EUA, ateus homenageiam garota que agiu contra oração na escola.


Postado por Paulo Lopes em Maio de 2012

Tudo que Jessica Ahlquist pediu foi a obediência ao "Estado laico".
A Associação Humanista Americana entregou a Jessica Ahlquist (foto), 16, o prêmio Humanista Pioneira. A cerimônia será na próxima semana, durante a 71º Conferência Anual da associação, em Nova Orleans.
Em meados de 2011, a adolescente ateia recorreu à Justiça para que a sua escola (municipal) retirasse de um mural um banner (informativo) com a "oração da escola" (? Veja a foto) que ali estava desde 1963. Ela é de Cranston, uma cidade de 80 mil habitantes do Estado de Rhode Island. É filha de um encanador e uma enfermeira.
“Eu olhava [o informativo] e não aceitava que aquilo estivesse lá”, disse ela. “E cada vez que via era um lembrete de que a minha escola não estava fazendo a coisa certa”, afirmou, referindo-se à laicidade do Estado.
Houve uma batalha jurídica. Jessica obteve sentença favorável em primeira instância, mas as autoridades da cidade, em nome da escola, recorreram da decisão. Ao final de janeiro deste ano, uma Corte Distrital indeferiu o recurso, confirmando a sentença pela retirada da oração da escola.

Oração estava na escola de 1963. Para a jovem, não foi fácil suportar a reação — e a fúria, em alguns casos — das pessoas que ficaram contrariadas com a atitude dela. Houve até ameaças de morte. Amigos e inimigos a pressionaram para que mudasse de escola, mas ela recusou — vai permanecer lá até a sua formatura no nível médio, no próximo ano.

A barra só não pesou mais porque Jessica contou com o apoio de entidades de ateus e humanistas. Um professor de matemática promoveu uma coleta de fundos, arrecadando US$ 50 mil (R$ 100 mil) para uma bolsa de estudos.
Ela se tornou em uma militante ateísta na internet e em praça pública, onde participa de manifestações de apoio ao Estado laico. Em janeiro, após a confirmação da sentença, comentou que estava “feliz e orgulhosa” pelo fato de contribuir para o cumprimento da Constituição.


Com informação do Christian Post, entre outras fontes. 

Postar um comentário