segunda-feira, 28 de novembro de 2011

CÂNCER: uma questão de mudança de comportamento


Prevenção do câncer está associada a mudanças de comportamentos e hábitos, diz oncologista


Estimativa divulgada pelo Inca na semana passada, indica que 520 mil novos casos da doença serão diagnosticados no Brasil em 2012

O alerta do oncologista se refere ao fato de que se as pessoas não fumarem, evitarem o consumo excessivo de álcool, cuidarem do peso e de determinadas infecções, o risco de desenvolvimento de um tumor maligno será reduzido. 

É uma questão de mudança de comportamento — frisou ele em entrevista concedida ao programa Revista Brasil, da Rádio Nacional.

Para Buso, o desafio do sistema de saúde no Brasil é colocar à disposição dos doentes o tratamento adequado para a cura do câncer. 

De acordo com ele, o conhecimento existe. 

— O desafio é oferecer tratamento [a todas] as pessoas — disse.

Segundo o médico, estudos recentes mostram que se os cânceres de colo do útero, mama e intestino forem identificados na fase inicial, as chances de recuperação plena superam 90%. Buso lembra que a descoberta da doença é feita por meio de exames específicos para cada caso.

No que se refere ao câncer de mama, os exames indicados são a mamografia e o ultrassom. O câncer de colo do útero pode ser detectado por meio do chamado exame papanicolau, que consiste na coleta de material do colo uterino e análise feita em laboratório. No caso do câncer de intestino, o oncologista recomenda atenção ao surgimento de infecções e pólipos na região.

Na semana passada, o Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca) divulgou um estudo mostrando que a estimativa é que, apenas no próximo ano, 520 mil novos casos de câncer surjam no país. Pelo estudo, 18 tipos da doença são as que mais atingem os brasileiros.

O câncer de mama, com exceção do tumor de pele não melanoma (o mais agressivo), é o mais frequente em mulheres. Nos homens, a incidência maior é de câncer de pele (não melanoma) seguido pelo câncer de próstata.


Especialistas consideram que são fatores de proteção ao câncer:
  •  a amamentação na infância, 
  • a prática de atividade física 
  • e alimentação saudável 

Em seu último estudo, publicado em 2009, o Inca previu que, em 2010, 490 mil pessoas seriam afetadas pela doença em todo o país. As estimativas de anos diferentes não podem, no entanto, ser comparadas, devido a diferenças metodológicas entre elas.

AGÊNCIA BRASIL


Leia mais assuntos relativos a isto  AQUI (o câncer de minha mãe); e AQUI (meditação e câncer).


Postar um comentário