quarta-feira, 28 de março de 2012

Se Deus tivesse falado.

Se Deus tivesse falado...

“Pára de ficar rezando e batendo o peito!


O que eu quero que faças é que saias pelo mundo e desfrutes de tua vida.


Eu quero que gozes, cantes, te divirtas e que desfrutes de tudo o que Eu fiz para ti.



Pára de ir a esses templos lúgubres, obscuros e frios que tu mesmo construíste e que acreditas ser a minha casa.


Minha casa está nas montanhas, nos bosques, nos rios, nos lagos, nas praias.


Aí é onde Eu vivo e aí expresso meu amor por ti.




Pára de me culpar da tua vida miserável:


Eu nunca te disse que há algo mau em ti ou que eras um pecador, ou que tua sexualidade fosse algo mau.


O sexo é um presente que Eu te dei e com o qual podes expressar teu amor, teu êxtase, tua alegria.


Assim, não me culpes por tudo o que te fizeram crer.







Pára de ficar lendo supostas escrituras sagradas que nada têm a ver comigo.


Se não podes me ler num amanhecer, numa paisagem, no olhar de teus amigos, nos olhos de teu filhinho…


Não me encontrarás em nenhum livro!





Confia em mim e deixa de me pedir. Tu vais me dizer como fazer meu trabalho?





Pára de ter tanto medo de mim.


Eu não te julgo, nem te critico, nem me irrito, nem te incomodo, nem te castigo.


Eu sou puro amor.





Pára de me pedir perdão. Não há nada a perdoar.


Se Eu te fiz… Eu te enchi de paixões, de limitações, de prazeres,


de sentimentos, de necessidades, de incoerências, de livre-arbítrio.


Como posso te culpar se respondes a algo que eu pus em ti?


Como posso te castigar por seres como és, se Eu sou quem te fez?





Crês que eu poderia criar um lugar para queimar a todos meus filhos


que não se comportem bem, pelo resto da eternidade?


Que tipo de Deus pode fazer isso?





Esquece qualquer tipo de mandamento, qualquer tipo de lei;


essas são artimanhas para te manipular, para te controlar, que só geram culpa em ti.


Respeita teu próximo e não faças o que não queiras para ti.


A única coisa que te peço é que prestes atenção a tua vida,


que teu estado de alerta seja teu guia.





Esta vida não é uma prova, nem um degrau, nem um passo no caminho,


nem um ensaio, nem um prelúdio para o paraíso.


Esta vida é o único que há aqui e agora, e o único que precisas.






Eu te fiz absolutamente livre.


Não há prêmios nem castigos.


Não há pecados nem virtudes.


Ninguém leva um placar.


Ninguém leva um registro.






Tu és absolutamente livre para fazer da tua vida um céu ou um inferno.


Não te poderia dizer se há algo depois desta vida, mas posso te dar um conselho.


Vive como se não o houvesse.


Como se esta fosse tua única oportunidade de aproveitar,


de amar, de existir.


Assim, se não há nada,


terás aproveitado da oportunidade que te dei.


E se houver, tem certeza que Eu não vou te perguntar se foste comportado ou não.


Eu vou te perguntar se tu gostaste, se te divertiste…


Do que mais gostaste? O que aprendeste?


Pára de crer em mim – crer é supor, adivinhar, imaginar.


Eu não quero que acredites em mim.


Quero que me sintas em ti.


Quero que me sintas em ti quando beijas tua amada,


quando agasalhas tua filhinha,


quando acaricias teu cachorro,


quando tomas banho no mar.


Pára de louvar-me!


Que tipo de Deus ególatra tu acreditas que Eu seja?


Me aborrece que me louvem.


Me cansa que agradeçam.


Tu te sentes grato?


Demonstra-o cuidando de ti, de tua saúde, de tuas relações, do mundo.


Te sentes olhado, surpreendido?…


Expressa tua alegria! Esse é o jeito de me louvar.


Pára de complicar as coisas e de repetir como papagaio o que te ensinaram sobre mim.


A única certeza é que tu estás aqui, que estás vivo,


e que este mundo está cheio de maravilhas.


Para que precisas de mais milagres?


Para que tantas explicações?


Não me procures fora!


Não me acharás.


Procura-me dentro…


aí é que estou,


batendo em ti."





Baruch Spinoza


Ou Bento de Espinoza[1] ou também Benedito Espinoza, em hebraico: ברוך שפינוזה, transl. Baruch Spinoza, Nascido em 24 de novembro de 1632, falecendo em Amsterdã — 21 de fevereiro de 1677, Haia) foi um dos grandes racionalistas do século XVII dentro da chamada Filosofia Moderna, juntamente com René Descartes e Gottfried Leibniz. Nasceu em Amsterdã, nos Países Baixos, no seio de uma família judaica portuguesa e é considerado o fundador do criticismo bíblico moderno.

No verão de 1656, a Sinagoga Portuguesa de Amsterdão o puniu com o Chérem, equivalente à Excomunhão, pelos seus postulados a respeito de Deus em sua obra, defendendo que Deus é o mecanismo imanente da natureza, e a Bíblia, uma obra metafórico-alegórica que não pede leitura racional e que não exprime a verdade sobre Deus. 

Spinoza defendeu que Deus e Natureza eram dois nomes para a mesma realidade, a saber, a única substância em que consiste o universo e do qual todas as entidades menores constituem modalidades ou modificações. Ele afirmou que Deus sive Natura ("Deus ou Natureza" em latim) era um ser de infinitos atributos, entre os quais a extensão (sob o conceito atual de matéria) e opensamento eram apenas dois conhecidos por nós.

A sua visão da natureza da realidade, então, fez tratar os mundos físicos e mentais como dois mundos diferentes ou submundos paralelos que nem se sobrepõem nem interagem mas coexistem em uma coisa só que é a substância. Esta formulação é uma solução muitas vezes considerada um tipo de panteísta e de monismo, porém não por Espinosa, que era um racionalista, por Extensão se teria um acompanhamento intelectual do Universo, como define ele em seu conceito de "Amor Intelectual de Deus".

Spinoza também propunha uma espécie de determinismo, segundo o qual absolutamente tudo o que acontece ocorre através da operação da necessidade, e nunca da teleologia.



Para ele, até mesmo o comportamento humano seria totalmente determinado, sendo então a liberdade a nossa capacidade de saber que somos determinados e compreender por que agimos como agimos.


Qualquer semelhança com o Budismo e sua versão de Karma, não como castigo, mas como uma consequência observável de causas prévias que podem ou não serem observadas. O que depende á a mente observar sua teia de ações e relações.

Deste modo, a liberdade para Spinoza não é a possibilidade de dizer "não" àquilo que nos acontece, mas sim a possibilidade de dizer "sim" e compreender completamente por que as coisas deverão acontecer de determinada maneira. [2] Causa e consequências.
Postar um comentário