domingo, 25 de março de 2012

VIVENDO NO AQUI E AGORA


Tenzo Kyokun foi compilado por   Dogen Zenji  quando ele tinha trinta e oito anos e vivia no templo Koshoji em Uji.

Este é um livro de instrução para o “Tenzo”, o monge responsável por preparar as refeições em um templo Zen.

Quando Dogen Zenji tinha vinte e quatro anos de idade, ele viajou para Song, na China na companhia de outro monge, Myozen, a fim de buscar os ensinamentos verdadeiros do Budismo.

Dogen escreveu, “o Budismo tem sido ouvido no Japão por muitos anos, mas quanto a preparar corretamente as refeições para aqueles que estão em treinamento no Sala dos Monges, nunca se escreveu sobre isso, ninguém nunca me ensinou sobre isso.” Assim como ele escreve em Tenzo Kyokun, Dogen Zenji foi para Song na China, e a partir de seu encontro com diferentes pessoas, percebeu que o trabalho de um Tenzo não difere da prática de zazen.


A seguinte história é uma experiência que Dogen Zenji teve quando estava hospedado no templo Keitokuji, na província de Chekiang, na China. A caminho de uma visita para seu companheiro de viagem, Myozen, que estava se recuperando de uma doença, Dogen Zenji passou pelo Sala de Buda. Lá ele viu um velho monge cujas costas estavam curvadas como um arco e cujas sobrancelhas eram tão brancas como as penas de uma garça. O velho monge estava secando cogumelos um por um sobre as telhas que cobriam o pátio.

Este tipo de responsabilidade em tal dia não teria sido fácil mesmo para uma pessoa jovem, e para um velho monge beirando os setenta isto deve ter sido especialmente difícil. O jovem monge, Dogen, ao ver isso, sentiu pena e ao andar em direção ao velho homem perguntou, “Como está você?”

Yung Tenzo apoiou sua ocupada mão o tempo suficiente para responder, “Este ano eu completarei sessenta e oito.”
 
“Uma pessoa de sua idade não deveria estar realizando este tipo de trabalho; por que você não arranja outra pessoa para fazê-lo?” Dogen sugeriu com preocupação.

“Outros não são eu...“ Yung Tenzo respondeu fortemente.


Dogen deve ter sentido como que se tivesse sido esfaqueado no peito. “Sim, isto é verdade, mas por que você simplesmente não descansa por um momento? Você não deve sobrecarregar seu corpo,” opôs-se Dogen preocupadamente.


Yung Tenzo firmemente respondeu, “E por qual outro tempo eu deveria esperar?” e continuou na sua tarefa.


Esta segunda flecha alojou-se em Dogen ainda mais profundamente do que a primeira; estas palavras foram realmente jóias preciosas, e cada palavra ressoou dentro dele.

Tendo sido abordado desta maneira, Dogen sentiu-se indefeso para dizer algo mais. Posteriormente ele escreveu: “Desisti. Contudo, enquanto eu andava pelo corredor, secretamente percebi quão importante função seu trabalho tem.”


“Outras pessoas não são eu.” Esta declaração define a locação espacial de “aqui.” “E exatamente por que outra hora eu deveria esperar” define a posição temporal de “agora.”

Não existe outro lugar para estar e outro alguém – só o aqui e esta manifetação;

Não existe outro tempo... não existe "mais tarde" –Só o agora.

Realidade é o lugar onde este “aqui” e este “agora” se cruzam.

Nunca houve uma época na qual os altos e baixos da vida tem sido tão violentos como os de hoje. Se esta expressão parece banal, deixe-me revisá-la e dizer que nunca houve um período de mudança social e desenvolvimento tão extremo como o de hoje. O futuro dourado com o qual se sonhava com o período de rápido crescimento já tornou-se um conto de devaneio. A revolução tecnológica não mudou simplesmente o processo de produção; ela acabou mudando, antes que nós o soubéssemos, tudo – desde a estrutura da indústria até a estrutura da sociedade. Há muitos que estão constantemente lamentando sobre os infortúnios de sua queda devido a estas novas forças.


Consequentemente, todos querem saber quando, como, e em qual direção o mundo irá mudar. Nós sabemos que se deixarmos um copo d’água cair ele se quebrará, mas nós não sabemos em quantos pedaços ele irá se quebrar. Exatamente da mesma maneira, ninguém sabe exatamente que tipo de mudança irá ocorrer. O futuro incerto, os tempos já passados, e as pessoas ao nosso redor são coisas das quais não podemos depender demais. Por isso, a coisa mais importante a se adquirir é a habilidade de adaptar-se à qualquer mudança; ou, mais precisamente, adquirir o senso de necessidade para ser o mestre de qualquer situação, e livremente, de acordo com a nossa vontade, afetar o nosso meio ambiente que muda momento após momento. Isto é nada mais do que completamente consumir a nossa vida aqui e agora, que é a coisa mais certa neste mundo incerto.

O Shobogenzo de Dogen nos ensina como realizá-lo.

Fonte: Site Soto Zen 








 






Uma homenagem para a Sanga e Monja Isshin, pelo almoço beneficente de confraternização "CozinhaZen".






 
Postar um comentário