sexta-feira, 16 de março de 2012

Será o mundo uma ideia?

Por Marcelo Gleiser - Será o mundo uma ideia?


Para Platão, a essência da realidade é percebida pela razão; isso deu à mente do homem um status semidivino.


"A mente humana é mais incrível do que o Universo", disse-me outro dia minha filha adolescente. "Por que?" perguntei. "Ora, tudo começa nas nossas cabeças. Sem nossas mentes, não existiria um Universo." 


"Será isso mesmo?", perguntei-me em silêncio. A rixa entre o que é e o que é percebido é tão antiga quanto a filosofia. Tem algo a ver com a pergunta "se uma árvore cai na floresta e ninguém está lá para ouvir, ela faz barulho?" (adaptada aqui). Mas é mais complexa.

 
Platão tornou explícita a divisão entre o mundo das ideias e o mundo dos sentidos. No seu famoso "Mito da Caverna", imaginou um grupo de prisioneiros acorrentados por toda a vida numa caverna. Podiam apenas olhar para uma parede, onde viam sombras projetadas por um fogo que queimava atrás deles. Com isso, sua percepção da realidade era profundamente distorcida, visto que nunca podiam olhar para os objetos que criavam as sombras. Apenas por meio de seus sentidos, jamais poderiam capturar a verdade sobre o mundo.


Platão usa a alegoria para argumentar que apenas o pensamento puro, livre das distorções da percepção sensorial, pode nos revelar verdades absolutas, imutáveis.


Segundo ele, a essência da realidade só pode ser percebida pela razão. Com isso, deu à mente humana um status semidivino, a ponte por onde chegamos ao absoluto. Para Platão, a essência do real é encapsulada por formas abstratas. Conhecê-las é chegar mais perto da verdade. Por exemplo, todas as mesas têm a forma de mesa, mesmo que os detalhes sejam diferentes. Apenas a ideia de um círculo é um círculo perfeito. Qualquer representação dele será imperfeita.


Dada a sua conexão com a busca pela verdade, não é surpreendente que as ideias de Platão tenham influenciado tanto cientistas quanto teólogos. Se as formas têm estrutura geométrica, a matemática (que estuda suas propriedades) segue em direção à verdade. Se a linguagem da natureza é a matemática, como afirmou Galileu, quanto mais as ciências físicas forem fundamentadas na matemática, mais perto da verdade estarão.


Essas ideias inspiraram alguns dos grandes nomes da ciência, de Copérnico e Kepler à Planck e Einstein. E continuam a fazê-lo, em particular para físicos que trabalham com teorias que tentam explicar toda a estrutura física do Universo, como a teoria das supercordas.


Para teólogos inspirados por Platão, como o genial Nicolau de Cusa, que viveu no século 15, a perfeição existe apenas em Deus. Com essa ideia, Cusa supôs que a Terra não poderia ser o centro do Universo. Cusa também não levava a sério a possibilidade de humanos obterem verdades absolutas. Para ele, elas estão na essência de Deus, que é incompreensível aos humanos.


Se a noção do Deus Geômetra não é mais muito popular, a do Homem Geômetra permanece firme e forte, e está por trás de grandes descobertas científicas e matemáticas.


Sem nossas mentes nada disso seria possível. Imaginamos e compreendemos o Universo com elas. Por outro lado, talvez seja bom levar a sabedoria de Cusa a sério e lembrar que o que criamos e entendemos é expressão de nossa criatividade, tendo pouco ou nada a ver com verdades finais e absolutas.

MARCELO GLEISER é professor de física teórica no Dartmouth College, em Hanover (EUA) e é
 astrônomo, escritor e roteirista. Conhecido nos EUA por seus lecionamentos e pesquisas científicas, no Brasil é mais popular por suas colunas de divulgação científica na Folha de S.Paulo, um dos principais jornais do país. Escreveu sete livros e publicou três coletâneas de artigos. Já participou de programas de televisão do Brasil, dos EUA e da Inglaterra, entre eles, Fantástico. Em 2007, foi eleito membro da Academia Brasileira de Filosofia.
 Facebook: goo.gl/93dHI







Então perguntaram a um monge Zen Budista:

 Essa realidade é criada pela mente?

A estrutura de tudo que existe é puramente mental?

Se for considerado que essa realidade é criada pela mente pode-se concluir que todos nós que a compartilhamos estamos atados por um mesmo estado mental coletivo definido pelo ambiente que experimentamos?


Resposta:

 Existe uma escola, a Yogachara, que preconiza a "consciência apenas", no entanto não é essa a apreciação vitoriosa no zen, a que venceu é que existe uma realidade mesmo que não existamos, no entanto a realidade que percebemos é de tal forma condicionada pela nossa situação mental que na verdade não vemos senão uma espécie de sonho.

A realidade última só é (realmente) percebida por uma mente iluminada.

Porem , como seres humanos temos uma determinada semelhança em nossas paisagens mentais, por esta razão podemos conversar, entender poesia, arte etc... mas mesmo assim não podemos dizer que o que vemos e sentimos é exatamente igual ao que o nosso companheiro ao lado sente e vê.



Postado por Monge Genshô 



Um dos epitetos de Buda foi "Tathagata".


"Tathagata" (Devanagari: तथागत, em Pali e Sânscrito ) é o nome usado pelo Buda histórico quando se referia a si mesmo nos seus discuros, segundo as escrituras tradicionais.


 O termo significa, paradoxalmente, tanto "aquele que assim vai" (tatha-gata) quanto "aquele que assim, veio" (tatha-agata).

Assim, o "Tathagata" está além de todas as idas e vindas da vida - além de todos os fenômenos transitórios.

"Tathagata"é aquele que passa inalterado pelas idas e vindas da vida, pois enxerga a vida realmente como ela é.

Ele é aquele que encontrou a verdade.  E dividiu com as pessoas para que estas também a encontrassem por eles mesmos.

Postar um comentário