sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Em vez de tratar a Causa Brasileiro trata efeitos: Segundo levantamento divulgado pela Anvisa nesta sexta-feira, remédios usados para tratar distúrbio de ansiedade são os mais vendidos entre os controlados



Para o presidente da Associação de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, Eugênio Horácio Grevet, a liderança dos calmantes — ansiolíticos Clonazepam, Bromazepan e Alprazolam — na lista de medicamentos controlados mais vendidos no Brasil entre 2007 e 2010 demonstra duas situações. 

Por um lado, a segurança do medicamento, que pode ser receitado por médicos de qualquer especialidade para o tratamento de ansiedade sem diagnóstico psíquico específico. Por outro, a indisponibilidade de atendimento psiquiátrico especializado, especialmente na rede pública de saúde.

— Esses medicamentos são altamente seguros e podem ser prescritos por não especialistas, por isso a alta prescrição — explica Grevet.

Segundo o psiquiatra, problemas psíquicos mais específicos, como depressão, transtorno obsessivo compulsivo, entre outros, exigem um diagnóstico psiquiátrico e medicamentos diferenciados, o que, especialmente na rede pública, às vezes o encaminhamento ao especialista demora para acontecer.

— O grande perigo da prescrição indiscriminada de calmantes é o risco de, com o uso prolongado, causar dependência em pessoas suscetíveis, com histórico familiar de dependência ou que estejam sob alta tensão — esclarece.

Grevet salienta que os calmantes têm uma função fundamental para o tratamento de pânico, por exemplo. São indicados para uso em um curto período ou para início de tratamento.

O Boletim do Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados (SNGPC) divulgado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) nesta sexta-feira aponta que os brasileiros gastaram mais de R$ 290 milhões na compra de calmantes, em três anos. Os dados são obtidos por meio da escrituração eletrônica dos medicamentos sujeitos a controle especial, realizada por mais de 40 mil farmácias e drogarias cadastradas em todo o Brasil.


A óbvia irresponsabilidade dos médicos é sustentada neste discurso bizarro e indefensável.

Os médicos prescrevem SEM QUALQUER PREOCUPAÇÃO porquê os remédios são seguros...

Isto é a cultura de tratar os EFEITOS e NÃO TRATAR AS CAUSAS.

Se as pessoas NÃO TRATAM AS CAUSAS DE SEUS PROBLEMAS elas ficam dependentes dos médicos e dos fármacos...

Simples assim.

Gente, procurem uma prática orientada de meditação... enfrentem seus problemas... e encontraremos a liberdade. Tanto pessoa quanto medicamentosa.

Lembram o artigo que publiquei aqui, indicado por Monja Isshin.

Meditação pode proteger o cérebro de doenças psiquiátricas

THE NEW YORK TIMES ~ 25/11/2011 19h30 



Um novo estudo descobriu que pessoas que praticam meditação parecem ser capazes de desligar áreas do cérebro associadas aos distúrbios psiquiátricos, como o autismo e a esquizofrenia.
Gasshô!



Postar um comentário