sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

O riacho e a mente de Ananda



Um dia, Buda, que já estava com certa idade, ia passando por uma floresta com seu discípulo Ananda, era um dia quente de verão e ele estava sentindo muita sede.
Disse então a Ananda:
"- Ananda, volta para trás. Nós passamos por um pequeno riacho apenas cinco ou seis quilômetros. Traz-me um pouco de água - leva a minha tigela. Estou sentindo-me cansado e com muita sede."

Ele já estava velho. Ananda voltou pelo caminho até o riacho, mas quando lá chegou, tinham acabado de passar alguns carros de bois, enchendo o pequeno riacho de lama. As folhas secas, que antes estavam assentadas no fundo, estavam agora boiando na superfície; já não era possível beber esta água - estava demasiada suja.

Regressou de mãos vazias e explicou:
- Mestre, vai ter que esperar um pouco. Eu vou mais à frente. Disseram-me que uns três ou quatro quilômetros acima há um grande rio. Vou lá buscar a água.
Mas Buda insistiu e pediu:
- Volta para trás e traz a água daquele riacho.
Ananda não conseguia perceber a insistência, mas, se o mestre dizia, o discípulo tinha que obedecer. Mesmo vendo o absurdo daquilo - tinha que voltar outra vez a andar cinco ou seis quilômetros, sabendo que a água não prestava para beber... 
Ma
s ele foi. E quando já ia se afastando, Buda disse-lhe:
- E não voltes para cá se a água ainda estiver suja. Tu senta-te simplesmente quieto na margem. Não faças nada. Não entres no riacho. Senta-te quieto na margem e observas. Mais cedo ou mais tarde a água vai ficar limpa outra vez e então podes encher a tigela e regressar.
Ananda lá foi. Buda tinha razão. Quando chegou viu que a água estava quase limpa, as folhas tinham-se ido embora, a poeira tinha assentado. 
Mas ainda não estava absolutamente limpa, por isso ele sentou-se na margem e ficou observando o riacho a correr, pouco e pouco, o riacho tornou-se cristalino. 
Então Ananda regressou a dançar. Ele tinha compreendido porque é que Buda estava insistindo tanto. Havia nisto uma determinada mensagem, e ele tinha compreendido a mensagem. Deu a água a Buda, agradeceu-lhe e tocou-lhe nos pés. 
Buda perguntou: 
- O que é que estás a fazer? Eu é que te devo agradecer por me teres trazido a água.

- Agora consigo compreender - disse Ananda. - Primeiro, eu fiquei zangado; não demonstrei, mas estava zangado porque era absurdo voltar para trás. Mas agora entendo a mensagem. Era disto que eu precisava realmente neste momento. 
O mesmo acontece com a minha mente - ao sentar-me na margem daquele riacho, fiquei ciente de que o mesmo se passa com a minha mente. Se eu saltar para dentro do riacho, vou deixá-lo sujo outra vez. Se eu saltar para dentro da minha mente, cria-se barulho, mais problemas começam a vir de cima, para a superfície. Ao sentar-me na margem, eu aprendi a técnica. 
Agora vou sentar-me também ao lado da minha mente, a vê-la com toda a sujidade e problemas e folhas velhas e mágoas e feridas, memórias, desejos. Se me preocupar, vou ficar sentado na margem à espera do momento em que tudo fique limpo."
Postar um comentário