terça-feira, 3 de janeiro de 2012

O primeiro livro impresso do mundo

setembro 22, 2011 por Michele Marques Baptista
O primeiro "livro impresso" de que se tem notícia é "O Sutra do Diamante.

Uma coletânea de textos budistas que os chineses teriam produzido em 868 d.C. (Para se ter uma idéia da importância disto, lembre que no Ocidente, o primeiro livro impresso foi a Bíblia em latim, em 1455, por  Johannes Gutenberg, com uma prensa de tipos móveis reutilizáveis, 587 anos antes).  A técnica chinesa ainda era rudimentar: consistia em entalhar letras em bloquinhos de madeira e depois decalcá-las sobre o papel. O Sutra do Diamante (sânscrito: Vajracchedika Prajnaparamita Sutra), é um pequeno e bem conhecido Mahāyāna sūtra, ou ” Perfeição de Sabedoria, enfatiza a prática do não-apego, do Prajnaparamita.

Uma cópia do Sutra do Diamante, encontrado entre os manuscritos de Dunhuang, no início do século 20, é, nas palavras da Biblioteca Britânica, “o mais antigo livro impresso”. O título conhecido em sânscrito para o Sutra é o Vajracchedika Prajnaparamita Sutra. Em Inglês, formas abreviadas como Diamond Sutra e Sūtra Vajra são comuns. Sutra do Diamante também tem sido muito apreciado em vários países asiáticos, onde o budismo Mahayana tem sido tradicionalmente praticado.

Traduções deste título para as línguas de alguns destes países incluem:
  • Sânscrito: वज्रच्छेदिकाप्रज्ञापारमितासूत्र
  • Chinês: 金剛般若波羅蜜多經
  • Japanese: 金刚般若波罗蜜多経
  • Coreano: 금강반야바라밀경
  • Vietnamita: Kim Cuong bat-nhem-ba-la-mat-kinh Dja
  • Tibetano: ‘phags pa shes rab kyi pha rol tu phyin pa rdo rje gcod pa zhes bya ba theg pa chen po’i mdo

A história do texto não é totalmente conhecida, mas os estudiosos japoneses consideram geralmente o Sutra do Diamante ser de uma data muito antiga na literatura Prajnaparamita. Alguns estudiosos ocidentais acreditam também que a Aṣṭasāhasrikā Prajnaparamita Sutra foi adaptada a partir do início Vajracchedika Prajnaparamita Sutra.

A primeira tradução do Sutra do Diamante em chinês foi feita em 401 d.C. pelo venerado e prolífico tradutor Kumarajiva. A tradução Kumarajiva tem sido altamente considerada ao longo dos séculos, e é esta versão que aparece no 868 CE Dunhuang.

A Tradução no estilo de Kumarajiva é distinta, possuindo uma suavidade que flui, que reflete a sua priorização em transmitir o significado em oposição a tradução literal precisa.


O Sutra do Diamante, como muitos sutras budistas, começa com a famosa frase “Assim eu ouvi” (sânsc. evam maya śrutam). Uma lista de metáforas vivas são encontradas no antigo livro, como exemplo:

Todos os fenômenos condicionados
São como sonhos, ilusões, bolhas ou sombras;
Como gotas de orvalho, ou relâmpagos;
Destarte deveriam ser contempladas.
Como o Sutra do Diamante pode ser lido em 40-50 minutos, muitas vezes é memorizado e cantado em monastérios budistas. Este sutra manteve significativa popularidade na tradição budista Mahayana há mais de um milênio.Existe um bloco de madeira impresso (cópia) na Biblioteca Britânica que, embora não seja o exemplo mais antigo de impressão em bloco, é o exemplo mais antigo que tem uma data real.

A cópia existente tem cerca de 16 metros de comprimento, adquirida em 1907 pelo arqueólogo Sir Marc Aurel Stein através de um monge que a estava guardando nas cavernas conhecidas como Grutas no noroeste da China. Isto aconteceu aproximadamente 587 anos antes da Bíblia de Gutenberg.

Sutra do Diamante ( < clique aqui para leu uma versão) é considerado um dos mais importantes sutras maaianas, particularmente para a tradição Zen.
Postar um comentário